Todos os anos, uma #Doença misteriosa assola a comunidade mais pobre da região de Muzaffarpur, na Índia. Centenas de crianças são hospitalizadas no período de meados de maio até junho, quando acontece o pico no número de casos da doença. As crianças afetadas pela doença costumam acordar durante a noite com gritos, seguidos de convulsões e inchaço do cérebro, levando a um estado de coma.

Agora, pesquisadores conseguiram identificar a causa da doença, apontando para o grande consumo de lichia com o estômago vazio. A região de Muzaffarpur é a maior produtora de lichia em toda Índia, e foi percebido que a época da doença coincidia com o período de colheita da fruta e que afetava principalmente a comunidade mais pobre da região.

Publicidade
Publicidade

Suspeita-se que as crianças mais pobres, que podem não ter comido nada durante todo o dia, estejam comendo as frutas caídas sem saberem que isso pode ter consequências devastadoras.

A lichia produz uma grande quantidade de uma toxina chamada hipoglicina, que impede o corpo de sintetizar glucose, forçando os níveis de açúcar no sangue a baixarem perigosamente, causando hipoglicemia. As crianças afetadas ficam com ainda menos vontade de comer, piorando a doença e eventualmente causando convulsões e um estado de coma.

Após a descoberta, os pais foram orientados a terem certeza que as crianças tenham uma boa refeição à noite e a restringirem a quantidade de lichia que eles podem comer. Desde que estas medidas foram colocadas em prática, o número anual de casos da doença caiu de centenas para 50.

Publicidade

Um outro caso semelhante ocorreu no Caribe. Crianças apresentavam os mesmos sintomas e ninguém conseguia encontrar a causa para o mal súbito, acionando o Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos. Os pesquisadores puderam identificar que dessa vez o agente causador da doença era, na verdade, outra fruta, o ackee. Primo da lichia, o ackee também produz grandes quantidades da toxina que causa hipoglicemia, que fica alojada em sua casca até que a fruta amadureça. #Saúde #Ciência