Uma #mãe admitiu ter esfaqueado sua filha, de três anos, até ela morrer, antes de mergulhar seu corpo em ácido, em uma tentativa de "dissolvê-la". Os agentes de polícia ficaram horrorizados, quando descobriram o corpo da pequena Alia Ahmed Jama, depois de invadirem o lar de sua família. Foram familiares da mãe da menina, Iman Omar Yousef, de 32 anos, que haviam levantado o alarme após ficarem preocupados pelo bem-estar da criança. A mulher era esquizofrênica e estaria temendo que levassem Alia dela.

Por essa razão, a mãe cruel corroeu sua pele, ossos e órgãos internos com substâncias químicas, após o assassinato chocante.

Publicidade
Publicidade

Ela foi considerada inapta para ser julgada e detida sob a Lei de Saúde Mental. Por sofrer de esquizofrenia, ela acabou sendo protegida pela #Justiça. Porém, um solicitante do asilo onde ela estava internada, conseguiu apelar para o tribunal de Worcester.

Yousef, de Erdington, admitiu homicídio culpado, mas de responsabilidade reduzida. Ela vai ficar detida indefinidamente, de acordo com a legislação de saúde mental que costuma ser aplicada. O juiz disse: "Você aceita que matou Alia e que pretendia fazê-lo. Você tinha idéias bizarras persecutórias e ouviu vozes. Você ficou cada vez mais temerosa de que sua família iria prejudicar você e sua filha".

Alegadamente, esta mãe se defendeu sempre com a ideia que estava temendo que sua família levasse a sua menina. O juiz considerou que ela temia que sua filha "fosse tirada e prejudicada", e que as vozes que ela escutava na sua cabeça diziam para ela matar a menina, protegendo-a dessa forma.

Publicidade

"Não há nenhuma indicação de que você fez algo além de amar sua filha. Na época, ao matá-la, você acreditava que a estava protegendo", disse o juiz.

Em uma audiência anterior, no tribunal, o promotor James Burbidge disse que a polícia encontrou uma visão "verdadeiramente chocante". Ele disse: "O corpo tinha sido parcialmente coberto com forros de lixo preto e verde. Os policiais sentiram o cheiro de ácido".

A autópsia revelou que a jovem tinha sido esfaqueada tão violentamente que a lâmina penetrou todo seu corpo. Porém, o advogado de defesa da mãe culpou as alucinações, que teriam sido decisivas nesse crime chocante: "As alucinações auditivas e visuais foram o cocktail letal que levou à perda trágica da vida da jovem. As vozes disseram que seria em seu interesse e sua filha estaria segura na morte. Há evidências de que esta senhora seria uma mãe atenciosa que era superprotetora de sua filha".

Yousef sofre de esquizofrenia desde 2001, mas nunca teria recebido tratamento, até a ocorrência do crime trágico. #Filhos