India Kirksey, de 20 anos, está sendo acusado pelos crimes de abuso infantil e ainda divulgação das imagens. A mulher teria confessado tudo para a polícia, mas só agora ela vai responder no tribunal americano. A mulher de Cincinnnati, Ohio, teria estuprado o próprio filho de apenas quatro anos, na frente de uma câmera. As imagens dos abusos foram transmitidas para todo o mundo através da #Internet e a acusação partiu de um usuário, que ficou chocado com a transmissão online.

A polícia deteve a mulher, após as acusações que chegaram de bem longe, quando alguém no estado do Texas assistiu à transmissão e fez a denúncia na polícia.

Publicidade
Publicidade

Kirksey foi detida na sequência desse caso inacreditável e ficou com uma fiança de 350 mil dólares. Como não pagou o valor, ela seguiu logo para a cadeia de Hamilton, de onde só saiu nesta segunda-feira (6), para ir ao tribunal.

O #Estupro teria acontecido "por volta do dia quatro de janeiro", de acordo com o que a polícia conseguiu descobrir. Os policiais tiveram acesso à fita e, mais tarde, a mulher teria assumido que fez o ato sexual com o menino com a câmera ligada. Depois disso, houve um trabalho de investigação, até que se chegou à detenção da jovem #mãe. Porém, os abusos teriam sido bem mais do que o que ficou transmitido pela internet. Alegadamente, existem outros vídeos e Kirskey até colocou alguns outros, também polêmicos, no Youtube.

Alguns dias antes de ser detida, a mãe de 20 anos, tinha compartilhado alguns vídeos, onde ela dançava de forma mais sensual.

Publicidade

Em alguns momentos, seria possível escutar uma criança chorando e em outro, sem som, aparecia um menino pequeno, sentado perto dela. Poderia ser este menino de quatro anos, que é agora pivô nesta história, pelas piores razões.

Se desconhece como se encontra a criança, ou até com quem ele teria ficado, assim que sua mãe foi presa. Não foi divulgado quando começa o julgamento da mãe abusadora. O certo é que os maus tratos seriam mais do que os sexuais e a mãe também será julgada por isso, após a investigação policial que precedeu esse processo na justiça.

O julgamento só começou nesta segunda-feira e a mãe ainda não teria se justificado por esse crime doentio, com seu filho pequeno.