Alexandru Radita, um adolescente de quinze anos, foi encontrado morto, após ser obrigado pelos próprios pais a passar por um ritual religioso, o jejum. De acordo com informações do jornal 'O Popular', em matéria publicada nesta segunda-feira, 27, Alexandru tinha diabete e seus pais, evangélicos, mesmo sabendo disso, obrigavam ele, com grande frequência, a fazer rituais de jejum. O caso aconteceu na Romênia, mas repercutiu em todo o mundo, devido à comoção que causou. O menino estava com apenas dezesseis quilos quando foi encontrado. Por ficar muito tempo sem comer, ele acabou contraindo uma bactéria em seu corpo e veio a falecer. O menino, segundo portais de notícias internacionais, veio a falecer por fome.

Publicidade
Publicidade

Detalhes da morte são revelados 4 anos depois de tragédia familiar

Os pais do menino, Emil, de 59 anos, e Rodica, de 53, não permitiram que a criança se tratasse da doença crônica que tinha. O jornal 'O Popular' informa que os dois eram fanáticos por uma Igreja Pentecostal do país europeu e que não acreditavam no tratamento da medicina. Por isso, mesmo sofrendo muito, o menino não teve nenhum tipo de tratamento médico, vindo a não sobreviver por negligência da própria família. O caso abriu discussão - mais uma vez - sobre os limites entre uma religião e o prejuízo que suas crenças podem causar. Mesmo vendo o filho passando muito mal, os pais evangélicos do garoto não quiseram chamar uma ambulância.

Ao invés disso, eles oraram por duas horas seguidas. Vendo que o garoto estava morrendo, Emil e Rodica, já desesperados, contrariaram a própria crença, e levaram o menino para um centro médico, mas aí já era tarde.

Publicidade

Ele não sobreviveu e morreu. Curiosamente, o governo da Romênia, um ano antes da morte de Alexandru, chegou a tirar a guarda do menino dos pais. Eles entraram na Justiça e conseguiram conviver com o adolescente novamente. Ambos não acreditavam na diabete e tinham a crença de que o poder de Deus curaria o menor. Os pais do menor estão sendo processados. Ele morreu em 2013, mas apenas nessa semana o caso foi exposto na mídia. #Crime #Investigação Criminal