Uma garota, de nome Megan Evans, virou assunto em diversos sites internacionais. Aos quatorze anos, ela cometeu o suicídio. A mãe dela, muito triste e aflita decidiu emitir um aviso aos amigos da garota, que cometeriam constantes abusos contra ela através de uma rede social, o Snapchat. A mãe, muito triste, deu detalhes sobre como o fato teria acontecido. Ele afirmou, categoricamente, que o ato contra a própria vida da menina foi mesmo causado por conta do bullying online que ela sofria. A polícia agora está investigando a tragédia familiar. Tudo aconteceu na cidade de Milford Haven, uma comunidade do País de Gales, como mostra uma reportagem publicada pelo tabloide inglês 'The Mirror'.

Publicidade
Publicidade

A mãe da menina, de quarenta anos, solicitou que os jovens, antes de atacar outras pessoas na internet, pensem muito bem em seus atos. Ela foi identificada como Nicola Harteveld. O assunto, mais uma vez, abre discussão sobre o que pode ou não ser feito no ambiente da internet. Viúva de uma filha, Nicola disse que está devastada com o luto e que não esperava passar por isso. Ela disse que é preciso dizer que as palavras tem muito poder, mesmo que agora esses adolescentes digam que esses atos não passam de "zoação" ou uma mera brincadeira. Nicola afirma que isso prejudicou sua filha e que é preciso ter cuidado, pois pessoas tristes podem ser ainda mais afetadas por esse tipo de comentário.

Ela ainda suplicou para que essas atitudes sejam monitoradas pelos pais nas redes sociais, a fim de que eles não cometam o mesmo erro que ela, que foi de não ficar ligada totalmente no que a filha fazia no ambiente online.

Publicidade

Nicola relata que, as vezes, os meros detalhes são o que mais importa para os jovens, que passam por um momento difícil, a puberdade. Segundo ela, sua filha não é a única que pensa em se matar ou que acaba cometendo esse ato por conta dessas mensagens ruins.

A mãe da adolescente pede aos pais que procurem sinais de que seus filhos não estejam bem, porque ela não quer que a morte de Megan seja "em vão". Uma investigação do caso já foi aberta, mas não tem previsão para ser concluída. #Crime