Na maioria das vezes, o uso de palavras de baixo escalão é usado por pessoas de baixa renda, as quais são incapazes de se expressar de forma correta. Mas por outro lado, o que mais chama a atenção é para uma pesquisa reportada pelo site Science Alert, que revela que aquelas pessoas que costumam se expressar verbalmente utilizando palavrões podem estar expressando sinais de inteligência.

De acordo com a pesquisa, pronunciar palavrões tornou-se um hábito muito comum para algumas pessoas. Em muitas ocasiões, esses indivíduos optam pelo uso de palavrões para diversos fins, ou contextos. Isso inclui expressar suas emoções ou até mesmo ser deliberadamente desagradável.

Publicidade
Publicidade

Um grupo de psicólogos do Marist College, em Poughkeepsie, Nova York, resolveu pesquisar além do estereótipo. Através do estudo, os pesquisadores conseguiram encontrar ligações entre o nível de fluência no inglês, e o nível de fluência em palavrões.

Durante os estudos, os pesquisadores pediram para que os voluntários descrevessem palavras que começavam com determinadas letras do alfabeto. Durante o resultado, ficou claro que os voluntários que conseguiram nomear o maior número de palavrões dentro do tempo estipulado foram os mesmos que conseguiram enumerar mais palavras em geral. Além disso, essas pessoas também tiveram boas notas em testes de fluência no inglês. Enquanto os voluntários que tiveram péssimas notas nos testes de fluência tendiam a ir mal nos testes com palavrões.

''É comum associarmos o uso de palavrões Às pessoas de baixa renda, com pouco estudo e na maioria das vezes, essas pessoas são consideradas como sem educação.

Publicidade

Durante a conclusão da pesquisa, ficou claro que a fluência no vocabulário ainda é considerada um tabu e indicador saudável que diz respeito às demais habilidades verbais.

''Geralmente as pessoas que usam palavrões durante seus discursos apresentam o QI em maior nível do que as pessoas que tentam evitar o pronunciamento de palavras consideradas de baixo escalão'', descreveram os especialistas responsáveis pelo estudo em um artigo para a revista "Languages Sciences". #pesquisas #Entretenimento #Curiosidades