Um vídeo publicado na internet, recentemente, está causando muito espanto entre os internautas. Uma mulher de nome Stephanie, professora de #yoga, divulgou um vídeo em seu canal no YouTube em que aparece menstruando. As imagens estão sendo bastante comentadas na internet.

Muitas mulheres que assistiram ao vídeo ficaram ofendidas com a marca de sangue na roupa da professora. Todavia, a intenção da youtuber era essa mesmo, propor uma discussão sobre a vergonha que muitas mulheres sentem por menstruarem.

Stephanie é natural de Austin, no Texas (EUA). Em um de seus vídeos postados na rede, a professora decidiu quebrar alguns tabus sobre o corpo feminino.

Publicidade
Publicidade

A intenção da youtuber era causar uma discussão sobre a #Menstruação. Todavia, os internautas acharam que ela acabou exagerando na hora de passar a mensagem. A professora aparece nas imagens usando uma calça branca e fazendo algumas posições de Yoga. Entretanto, os internautas observaram que a região íntima de Stephanie, sobre a calça, estava suja de sangue.

A revolta dos internautas gerou uma discussão muito grande sobre o assunto. Stephanie justificou seu ato como uma luta contra os dogmas e preconceitos contra uma sociedade machista. “Eu sou mulher, logo, eu sangro. É complicado, dói, é terrível e é lindo”, disse a professora.

Stephanie deixou claro em seu discurso que é contra a mulher ter que esconder algo tão natural quanto isso. “Absorventes? O que é isso. Nós não falamos essa palavra em voz alta.

Publicidade

Nós os escondemos. No bolso escondido de sua bolsa, no canto da gaveta do banheiro, no fundo do seu carrinho de compras”, escreveu a professora.

Stephanei disse que sabe de histórias de mulheres que, muitas vezes, adiaram compromissos importantes por causa da menstruação, que, segunda ela, acontece com cerca de 100 milhões de mulheres ao redor do mundo.

A ideia do vídeo, segundo a youtuber, veio através de um grupo de amigas que receberam a proposta de ganhar um estoque de absorventes em troca de algumas postagens publicitárias.