Até 2050, o mundo passará por mudanças jamais vistas. E, a economia em termos globais, com certeza sofrerá mudanças incríveis.

Um estudo da PricewaterhouseCoopers, também conhecida como PwC, importante entidade que presta serviços na área de consultoria e auditoria, informou quais serão as #Maiores economias do mundo em 2050.

Para isso a PwC utilizou-se de simulações de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), levando em consideração a paridade do poder de compra, isto é, a chamada PPC.

A PPC diz respeito a uma técnica usada na #Economia para analisar e determinar a produtividade de cada economia, juntamente com os padrões sociais de vida, no decurso de determinado tempo.

Publicidade
Publicidade

Assim, as economias mais poderosas dos dias de hoje, Japão e Alemanha, por exemplo, sofrerão um regresso nos rankings globais. Os destaques serão para Índia e Indonésia, hoje consideradas economias emergentes.

E mais, estima-se que a economia de 7 países denominados emergentes: Brasil, China, Índia, Indonésia, México, Rússia e Turquia, podem crescer a níveis duas vezes maiores.

Outra conclusão do estudo é que a economia em dimensões globais, poderá duplicar de tamanho nos próximos 33 anos, graças aos avanços e ganhos trazidos pela tecnologia.

O Brasil, segundo a PwC deve galgar duas posições, alcançando o mérito de 5ª maior economia do mundo, isso em 2050. Porém, antes dessa posição deve ocupar o 8° lugar em 2030. O PIB no Brasil, em paridade do poder de compra, PPC, deve situar em US$ 7,540 trilhões em 2050.

Publicidade

2050: as 10 maiores economias do mundo e respectivos PIBs

1º lugar: China - US$ 58,499 trilhões

2º lugar: Índia - US$ 44,128 trilhões

3º lugar: Estados Unidos - US$ 34,102 trilhões

4º lugar: Indonésia - US$ 10,502 trilhões

5º lugar: Brasil - US$ 7,540 trilhões

6º lugar: Rússia - US$ 7,131 trilhões

7º lugar: México - US$ 6,863 trilhões

8º lugar: Japão - US$ 6,779 trilhões

9º lugar: Alemanha - US$ 6,138 trilhões

10º lugar: Reino Unido - US$ 5,369 trilhões

Portanto, há boas perspectivas para o Brasil, que deve subir ao menos duas posições, se situando em 5º lugar no ranking.