Os indianos são bastante ligados à pornografia, mas uma notícia pode acabar com as opções de diversão daqueles que gastam muito tempo à frente do computador ou do celular consumindo vídeos e fotos pornográficas. Uma engenheira da cidade de Mumbai, cujo nome não foi divulgado, entrou com um processo no Supremo Tribunal indiano para proibir a #pornografia online no país, que é o segundo mais populoso do mundo, ficando atrás apenas da China.

O motivo é que impressiona. Segunda ela, o marido é viciado em vídeos e imagens pornográficas e passou a ter um comportamento violento. Ela sofre violência doméstica e abusos sexuais devido ao consumo do marido por pornografia.

Publicidade
Publicidade

Na reportagem divulgada por um site especializado em notícias do mundo pornográfico, a mulher relata que o marido passou a apresentar uma mente perversa. “Arruinou minha vida matrimonial”, disse ela.

Proibição

O caso será analisado pelo Supremo Tribunal da Índia, mas a proibição do consumo de pornografia em um país que supera a marca de um bilhão de habitantes por uma situação particular não é tão simples.

Os filmes pornográficos recebem bastante crítica mundo à fora devido ao tratamento desumano a que algumas atrizes são submetidas. Embora estejam recebendo para fazer determinado papel, ainda assim chama a atenção.

Os homens que consomem pornografia precisam entender que ali há atores e atrizes contratados, recebendo para encenarem uma cena real e sexo. Muitos vídeos que contém agressão às mulheres são, na verdade, apenas encenações.

Publicidade

Levar aquilo para a vida real coloca em risco a vida da mulher e o relacionamento de ambos. Provavelmente esta indiana não conseguirá proibir a distribuição da pornografia no país, mas esta notícia serve de alerta a todos os homens do mundo.

Filme pornográfico não reflete a realidade e nem deve ser copiado em um relacionamento real. Às mulheres que sofrem agressões, independente de os maridos consumirem ou não pornografia. Fica a dica para que procurem as autoridades competentes e denunciem os maus-tratos. #India