Algumas notícias são realmente inacreditáveis. Uma delas foi dada nessa semana pelo site da Nigéria, na África, o 'Nigeria Today'. O portal internacional fala sobre um sequestro de um homem na Zambia. Ele, que não teve o nome revelado, trabalharia como conselheiro espiritual no país do continente africano. O sequestro, no entanto, foi, no mínimo, inusitado. Isso porque o conselheiro foi levado por três garotas de programa da região. As três criminosas fizeram mal ao homem dia e noite, como relatam autoridades do país. Os abusos sexuais duraram nove dias, até que o homem acabou sendo encontrado.

O 'Nigeria Today' conseguiu suas informações com um site africano, o 'Zambian watch'.

Publicidade
Publicidade

Uma fonte ligada ao homem sequestrado chegou a falar que o sumiço da vítima preocupou a família dela e também seus amigos. Nunca o conselheiro teria faltado o trabalho por mais de sete dias. Algumas pessoas chegaram a acreditar que o homem estava morto. No entanto, como informamos anteriormente, ele está sob poder das jovens garotas de programa.

Uma fonte disse ao 'Zambian Wath' que a polícia decidiu procurar o homem após ele não aparecer mais no trabalho. Os investigadores então começaram a tentar descobrir o paradeiro do conselheiro. A fonte revela que um dos lugares visitados foi uma mercado da região. Preocupada, a mãe do conselheiro viajou para acompanhar as investigações. Uma das pessoas do mercado então informou que a última vez que o homem foi visto havia sido há nove dias, quando ele saiu do mercado acompanhado de três garotas de programa da região.

Publicidade

A família da vítima, acompanhada da polícia, esteve na casa de uma das garotas de programa. Ele negou conhecer o homem e mentiu, falando que não sabia onde ele estaca. Ao voltar a casa da prostituta, no entanto, o homem foi encontrado. Ele ficou muito feliz ao ser encontrado pela família. Duas das três prostitutas chegaram a ser apreendidas, mas depois foram liberadas. Em depoimento, elas disseram que o sequestro e o sexo durante os nove dias foram consensuais. #Crime