O Supremo #Tribunal de Justiça, em Portugal, declarou que o investigador Gonçalo Amaral, que escreveu um livro acusando os pais de Maddie McCann de matarem e eliminarem o corpo da sua filha, não estava condenado a pagar nenhuma indenização. Tal como informa o site português Notícias ao Minuto, muitos órgãos de comunicação ingleses ficaram chocados pelo “duro golpe” que a Justiça portuguesa deu os pais da menina, que, como consequência dessa derrota judicial, vão ter que pagar todos os custos da sua defesa, em um momento em que eles estão dando entrevistas por valores milionários.

Depois de muitos anos lutando pela sua inocência, o investigado Gonçalo Amaral, o primeiro de um dos casos de rapto mais midiáticos da última década na Europa, foi considerado inocente nas acusações que fez aos pais da menina que desapareceu no passado dia 3 de maio de 2007, no sul de Portugal. Gonçalo Amaral, devido às acusações dos britânicos, viveu na desgraça, perdendo até seu emprego.

Na base dessa decisão, que está chocando muita gente no Reino Unido, o Tribunal considera que os pais de Maddie não foram considerados inocentes no caso do desaparecimento da filha. Portanto, não existiu qualquer tipo de difamação por parte do investigador.

De acordo com o site Notícias ao Minuto, o Supremo Tribunal também apontou que existe ainda uma “fundada suspeita” sobre um possível envolvimento do casal no desaparecimento da filha.

Nas redes sociais, muitos britânicos, que há muitos anos estão acompanhando de perto os desenvolvimentos desse #Crime, garantem estar chocados e revoltados com a decisão de não punir alguém que, com o objetivo de lucrar com vendas, acusou os pais de um crime muito grave, sem conseguir provar essas suas acusações. Além das despesas da defesa, o casal também foi condenado a pagar as despesas que foram gastas por Gonçalo Amaral, que fizeram com que o português tivesse passado grandes dificuldades nos últimos anos, defendendo sempre que tinham sido eles quem planejaram todo o crime. #Investigação Criminal