Qual a sensação de ser um canibal? Como vivem as sociedades que se alimentam da carne humana? Para responder a esta e outras perguntas num trabalho para a televisão o apresentador e escritor Reza Aslan foi capaz de comer pedaços de cérebro humano.

Isso aconteceu durante a gravação de um documentário, como mostrou a Rede CNN. Reza esteve em um encontro com membros da seita indiana Aghori, formada especialmente por homens nômades hindus.

Ao longo do ritual que participou, o jornalista teve as cinzas de um morto sopradas em seu rosto. Também utilizou uma caveira humana como copo para beber um líquido alcoólico artesanal.

Publicidade
Publicidade

E, para completar, teve de usar uma espécie de tiara composta por tiras de restos mortais de algum ser humano morto em ritual antropofágico.

E depois de todos estes passos, a cereja do bolo: o apresentador experimentou um pedaço de cérebro humano cozido.

Esta parte, segundo ele, teria sido ironicamente a menos difícil de executar. O corajoso apresentador não achou assim tão ruim o gosto. E ainda afirmou: “Querem saber qual é o sabor de um cérebro de um cadáver? Eu digo: carvão”.

O vídeo tem mais adrenalina. Segundos depois de o apresentador falar com as câmeras, um dos integrantes da tribo ameaçou o apresentador. Ele disse: “Cortarei sua cabeça se seguir tagarelando tanto”. Em seguida o sujeito passou a comer as próprias fezes.

Para os praticantes do hinduísmo, a maneira como a gravação foi feita pelos ocidentais americanos desagradou muito os devotos.

Publicidade

Eles acusam o documentário de retratar a religião de uma forma negativa. O apresentador rebateu as críticas dizendo que não houve nenhuma intenção de falar mal da religião. “Nós fizemos um programa sobre o Aghori e, não, sobre o hinduísmo. Mostramos a seita e seus rituais”.

Os Aghori acreditam que o poder vem dos mortos. Eles vivem junto às margens do famoso Rio Ganges, na região mais ao Norte da Índia. Embora eles se alimentem apenas de pessoas que já estão mortas, o grupo gera temor da população de comunidades próximas.

#Bizarro