O Brasil que geralmente costuma adotar uma posição de não beligerância e neutralidade nas relações diplomáticas com os demais países do globo, passa a ser alvo negativo dos holofotes do governo da #Argentina com sede em Buenos Aires, uma vez que o Ministério das Relações Exteriores daquele país sinalizou publicamente para a comunidade internacional e especialmente para o #Brasil no último dia 1º de março, que se encontra bastante aflito, no que as autoridades do país “hermano”, alegando que as autoridades brasileiras podem estar pendendo para o lado da Grã-Bretanha, quando o assunto é a sobre a quem pertence as Ilhas #Malvinas, um pequeno arquipélago localizado no extremo do Atlântico Sul e que é disputado pela Argentina e pela já citada Grã-bretanha.

Publicidade
Publicidade

Tudo isso porque, somente em 2016, no mínimo 6 voos de aeronaves pertencentes a Força Aérea Real do Reino Unido decolaram de aeródromos brasileiros em direção as Ilhas Malvinas ou Falklands como os ingleses as chamam.

Documento oficial da chancelaria da Argentina determinou objetivamente que a embaixada de sua nação em Brasília devesse externar a real preocupação da Argentina com esse tipo de embaraço diplomático de contornos militares.

Para as gerações mais jovens que não se recordam do enfrentamento armado que ocorreu entre argentinos e britânicos, ocorreu que no ano de 1982 os dois países se envolveram em uma guerra de proporções mais do que relevantes pela disputa acirrada sobre o arquipélago das Malvinas. A argentina que naquela ocasião era governada por militares, resolveu sem maiores avisos, ocupar a ilha principal, que sempre idealizou como fazendo parte do território ultra-marino argentino.

Publicidade

Todavia a ilha estava sob controle inglês desde 1833, o que provocou uma resposta bastante rápida e mortífera por parte do governo de Londres.

O resultado da disputa foi que no transcurso da guerra, 649 argentinos e 255 britânicos perderam os seus bens mais preciosos, a saber, as suas vidas, nesse embate que teve a duração de 72 dias e no qual a Grã-Bretanha sobrepujou a Argentina militarmente, expulsando-a da ilha.

Vale frisar que há 4 anos atrás, no mês de março de 2013, os habitantes das Ilhas Malvinas promoveram uma espécie de referendo, atestando que a maior parte desses insulares votou, preferindo que as ilhas continuassem debaixo da jurisdição do Reino Unido, mas mesmo assim a Argentina não aceitou o que ficou estabelecido na votação.

A Argentina poderia ter vencido a Guerra das Malvinas?