No início deste mês de março, começou o julgamento de uma norte-americana que está sendo acusada de ter aliciado e abusado sexualmente de um adolescente de apenas 14 anos, no estado de Michigan, nos Estados Unidos. Ela é Brooke Lajiness, de 38 anos, casada e mãe de dois filhos que mantinha uma espécie de relacionamento com o garoto, desde meados do ano passado.

O #Crime só foi descoberto depois que a mãe do adolescente começou a desconfiar que as relações sexuais pudessem estar acontecendo e denunciou à polícia. Para aliciar a criança Brooke enviou ao menino inúmeras fotos sensuais em que aparece nua ou seminua. Após a primeira abordagem dos investigadores a mulher confessou o crime, e disse que tinha sim uma relação com o menino.

Publicidade
Publicidade

Segundo os depoimentos, que constam nos autos do processo, ela teria se encontrado com o garoto pelo menos oito vezes, mas esse número pode chegar a quinze, como informou à polícia.

Ela não sabe precisar exatamente quantas vezes os dois teriam se visto, mas relatou que os encontros aconteciam em seu próprio carro no acostamento de uma rodovia perto da casa onde morava. A criança também confirmou os encontros e disse aos investigadores que teria perdido a virgindade com a mulher. Tudo teria vindo à tona a partir das fotos enviadas por meio de redes sociais. Segundo a mãe do garoto, ele teria mostrado aos colegas de escola as imagens, a fim de provar aos companheiros que realmente estaria tendo um relacionamento com a mulher mais velha.

Depois das investigações Brooke foi presa no final de fevereiro deste ano, mas foi liberada após pagar uma fiança no equivalente a 150 mil reais.

Publicidade

Depois que toda a história veio à tona, o marido dela saiu em sua defesa e disse estar apoiando-a diante deste momento de crise. Ela tem dois filhos, um inclusive quase da idade da criança com a qual mantinha as relações sexuais. O julgamento do caso vem acontecendo desde o início deste mês de março, e em todas as sessões o marido da acusada a acompanha.

De acordo com o que foi exposto no tribunal, a relação entre a agressora e o menino teria se estreitado quando ele ainda estava no ensino básico de ensino. A polícia ainda investiga se ela chegou a aliciar outras crianças nesse período. Até o momento ficou determinado que a mulher não poderá se aproximar de outras crianças menores, além de não poder utilizar nesse período as redes sociais. Apesar da repercussão do caso, ela não foi afastada dos filhos. Se condenada poderá pegar até dez anos em regime fechado.

#Casos de polícia