Essa semana um vídeo divulgado nas redes sociais, que mostra um menino de apenas seis anos carregando explosivos pelo corpo assustaram os internautas. As imagens são fortes e mostram o momento em que um soldado ao que tudo indica Iraquiano tenta desarmar as bombas. Pelas cenas é possível ver que a criança carrega uma série de explosivos amarrados com um pano em seu abdome. Pelo que foi divulgado com as gravações e juntamente com os relatos do menino teria sido seu próprio tio a colocar as bombas em seu corpo. Não se sabe precisamente as origens das filmagens e nem se elas são reais, mas ao que tudo indica se trata sim de um atentado feito pelo intitulado Estado Islâmico.

Publicidade
Publicidade

Como fica claro pelas imagens a criança está extremamente assustada, e com medo de que a qualquer momento os explosivos detonem. O soldado que tenta salvar o menino, parece saber como lidar com a situação, ele pede à criança que levante os braços e começa a cortar com uma tesoura alguns fios que seriam os responsáveis por deflagrarem as bombas. Quem confirmou a autenticidade dos fatos foi o próprio exército iraquiano que também luta para combater os extremistas. Veja as cenas assustadoras do momento em que o homem tenta desativar os explosivos atrelados ao garoto:

Segundo informações do próprio exército essa não seria a primeira vez que os terroristas utilizam dessa tática para poder atingir os soldados oponentes.

Publicidade

Os rebeldes do Estado Islâmico estariam utilizando com freqüência crianças para servirem de homens-bombas. Além de garotos em sua maioria, também estariam sendo aliciados idosos e mulheres. Os terroristas tentariam distrair os soldados utilizando do artifício de empregar pessoas não suspeitas em seus ataques. No entanto, a tática vem sendo cada vez mais desmascarada pelos soldados que estão se capacitando para desativarem as armas caseiras. As cenas impressionam e revelam um mundo bárbaro onde a guerra ainda impera de maneira algoz. Lugares onde nem mesmo crianças são poupadas e a situação é cada vez mais calamitosa. #Crime