Em 2014, quando o renomado pesquisador do Instituto de Física a Laser em Novosibirsk (Rússia), Yury Obraztsov, de 54 anos, desapareceu após viajar ao Cazaquistão, sua família imediatamente contatou a polícia, que não obteve êxito na busca do cientista.

Contudo, apesar de considerado morto pelas autoridades e parentes, Yury recentemente conseguiu escapar do cativeiro.

Em depoimento ao jornal The Siberian Times, na quinta-feira (16), ele conta uma história enigmática e assustadora.

O físico, especialista em silício, ainda traumatizado com os espancamentos, e com amnésia, relata apenas o que sua danificada memória permite.

"Tentei fugir várias vezes, cinco vezes ao todo, mas fui devolvido e espancado", recorda o estudioso, aposentado em 2013 devido a problemas na visão.

Publicidade
Publicidade

Embora você deva estar se perguntando quem são os raptores do cientista, ele diz não lembrar a identidade dos homens, em decorrência das sequelas ocasionadas pelas periódicas surras ao qual era submetido.

Apesar de não rememorar o motivo da viagem ao Cazaquistão - ainda uma incógnita para ele mesmo -, o russo lembra algumas circunstâncias sinistras do sequestro.

Segundo Yury Obraztsov - que não lembra como os sequestradores o subjugaram -, os criminosos o levaram a uma fazenda, onde morou em um celeiro e trabalhou como escravo. Porém, além dele, haviam outros indivíduos na mesma condição. Todos recebiam ração animal de alimento.

"Havia mais pessoas mantidas em cativeiro. Pessoas como eu ainda estão lá. Era uma fazenda. [Foi-me dado] pão, água, às vezes havia comida dos animais", fala.

A FUGA

Conforme o acadêmico, na segunda-feira (13), ele correu por um longo tempo, sem enxergar direito, pois estava sem os óculos - quebrado durante as sessões de tortura.

Publicidade

Em determinado momento, foi visto descabelado, sujo e maltrapilho, sentado num banco no lado de fora de um shopping center em Almaty (Cazaquistão).

Quando o viram naquela noite, Alexander Poluektov e esposa, que trabalham no local, se aproximaram e perguntaram o que havia acontecido.

"Quando ele me contou tudo isso, fez meus cabelos ficarem em pé. Ele foi espancado tão [brutalmente] que não entende nada ... Graças a Deus, é tudo no passado ... Ele me perguntou: que ano é esse? Fiquei chocado... Todo esse tempo ele morou em um celeiro e trabalhou para seus sequestradores”, fala Alexander.

No momento, a polícia tenta identificar o motivo do sequestro, o nome dos agressores e a localização do cativeiro.

Agora, Yury aguarda os tramites legais para voltar à Rússia, onde sua mulher Tamara o espera ansiosa.

Ao que parece, monstros transfigurados de humanos se escondem em meio a imensidão do território russo.

Abaixo, foto do físico com a esposa.

#Mídia #Curiosidades #Crime