O magnata Donald Trump conseguiu realizar um desejo que não se compra com dinheiro, a presidência de um país. Claro que a maioria não concorda com as decisões e atitudes xenofóbicas do presidente, mas alguém finalmente tomou coragem para enfrentar a fera.

Trump é um amante do golfe, e já que, como presidente dos #EUA, tem sempre um tempinho livre, adora ir ao clube em Palm Beach, que fica na Flórida. As visitinhas do magnata podem custar até 6 milhões de dólares por ano ao bolso dos contribuintes da Flórida, já que as autoridades tem que fechar estradas, espaço aéreo e polícia e bombeiros são obrigados a ampliar o contingente.

Publicidade
Publicidade

O presidente transformou sua mansão na Flórida em uma casa branca de inverno. Agora as autoridades locais pedem que o magnata reembolse o custo de suas visitas (que não são nada baratas) ao condado de Palm Beach, ou ele paga ou deixa de frequentar o clube.

Lois Frankel, em uma coletiva de imprensa, disse que eles entendem que o presidente queira visitar o condado, afinal é praticamente o paraíso. Mas precisam de um reembolso para o condado e para a cidade.

A congressista também sugeriu que o magnata ao invés de ir para Palm Beach e para sua residência particular de ''Mar-a-Lago'', poderia visitar também o ''Camp David'' e limitar seus gastos na zona local.

Jeri Muoio, prefeita de West Palm Beach, também apoia Frankel. A funcionária disse que, nos fins de semana em que o presidente resolvi ir para lá, a polícia e os bombeiros trabalham com contingente de 120%, e isso gera mais gastos com horas extra e contratação de mais funcionários.

Publicidade

Também mandaram um recado para o presidente, disseram que, se ele pretende continuar indo a Mar-a-Lago com a frequência atual, o condado precisará de fundos para se defender de ciberataques e se preparar para evitar e revidar ataques terroristas.

Para aumentar o desespero da congressista, #Donald Trump e uma enorme delegação chinesa irão semana que vem para o condado. Há dois meses, Burdick e outras autoridades pediram ao governo federal o reembolso dos altos gastos do presidente, mas até agora não houve resposta. #Polêmica