Os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Cristiano Zanin e Valeska Teixeira, sentiram na pele o terror de um ataque terrorista. O tiroteio começou quando eles estavam entrando no Parlamento britânico, em #londres. Eles, que são casados, falaram sobre o desespero das pessoas em se esconder e fugir dos ataques.

De acordo com Cristiano, o susto foi enorme. Houve muita gritaria e correria. "No momento em que estávamos entrando no Parlamento nos deparamos com uma multidão correndo em nossa direção e policiais gritavam para corrermos", conta o advogado.

Os dois estavam no Parlamento após serem convidados por parlamentares para falarem numa audiência pública sobre as "perseguições políticas" sofridas pelo ex-presidente #Lula.

Publicidade
Publicidade

A advogada Valeska disse que passou um filme pela sua cabeça. "Veio à minha mente os meus três filhos. Aquelas cenas das pessoas fugindo foram horrorosas", disse ela. Eles entraram rapidamente em uma loja de presentes e em seguida, pegaram um táxi direto para o hotel.

O atentado deixou várias pessoas feridas e quatro mortos até agora.

Crueldade

Segundo a Polícia Metropolitana de Londres, 12 pessoas foram atropeladas por um carro na ponte Westminster. Essa ponte dá acesso ao Parlamento britânico. Depois, o suspeito tentou entrar com uma faca no prédio. A polícia agiu rápido e conseguiu matá-lo.

Das pessoas que morreram, uma mulher estava embaixo da roda de um ônibus e um policial foi esfaqueado. A Polícia de Londres está tratando o caso como terrorismo.

Ordens

A Polícia pediu para que as pessoas evitassem alguns lugares, como a praça do Parlamento, a ponte de Westminster, a ponte de Lambeth e a rua de Victoria.

Publicidade

Dessa forma., fica mais fácil para as equipes de socorro trabalharem. Três estudantes franceses estão entre os feridos.

Coincidência ou não, o ataque aconteceu bem no dia em que a Bélgica homenageou as vítimas do #Atentado de Bruxelas, ocorrido há um ano.

O Reino Unido lançou um nível de alerta terrorista grave, numa escala de 1 a 5, foi considerado o fator 4.