O Senado do estado do #Mississipi, nos #Estados Unidos, aprovou nesta quinta-feira (2) a utilização da câmara de gás como alternativa para os casos em que criminosos são condenados à #pena de morte. A cadeira elétrica também passa a ser liberada no território.

A medida foi adotada porque o estado está tendo dificuldades para adquirir a droga utilizada na injeção letal, atualmente o único método de execução aprovado no local. No começo de fevereiro, o Senado já havia votado também a inclusão do pelotão de fuzilamento como opção para a pena de morte. Nos Estados Unidos, 33 dos 50 estados permitem a medida em seus territórios.

Publicidade
Publicidade

Pena de morte no Mississipi

O distrito do Mississipi, localizado na região sudoeste do país, realiza a execução de prisioneiros condenados à morte desde 1976, mas vem enfrentando problemas na compra da droga que compõe a injeção letal. A última pena de morte cumprida foi em 2012, sendo que, atualmente, 47 presos estão no "corredor da morte" no estado. Além disso, o governo local enfrenta processos que contestam a utilização das substâncias da injeção por, supostamente, serem dolorosas e cruéis, indo contra os direitos humanos dos prisioneiros.

No começo de fevereiro de 2017, o Senado já havia votado pela primeira vez a permissão para três novas alternativas à injeção letal no Mississipi: a câmara de gás, o pelotão de fuzilamento e o eletrocutamento. O pelotão foi retirado de pauta por uma das comissões que avaliaram o texto da lei.

Publicidade

Já a morte por cadeira elétrica e câmara de gás passaram pelo Senado nesta quinta-feira.

Penas de mortes permitidas nos Estados Unidos

Atualmente, o código de execução dos Estados Unidos permite que 33 estados executem a pena de morte, sendo que, em todos, a injeção letal é a opção primária. Apenas os territórios de Utah e Oklahoma permitem o pelotão de fuzilamento, enquanto mais oito estados utilizam a execução por cadeira elétrica. Um outro método utilizado é o enforcamento, aprovado em apenas três estados americanos.

Entretanto, desde o ano de 2007, 19 distritos e mais a capital federal aboliram a pena de morte de suas leis.