Por um ato que foi denominado "revelação divina" fiéis e o pastor de uma igreja evangélica na Nicarágua queimaram viva uma mulher que, segundo a "revelação", estava possuída pelo demônio. A mulher nicaraguense, de 25 anos, foi amarrada e queimada viva, num ritual de purificação da alma, ou "#exorcismo".

Vilma Trujillo, a vítima, chegou a ser socorrida e tratada. A mulher sofreu queimaduras em 80% de seu corpo. Entretanto, em decorrência dos ferimentos, a mulher não resistiu e morreu uma semana depois de agonizar. A #Morte foi constatada na última terça-feira, 28.

A Nicarágua e, posteriormente, o mundo ficaram chocados como caso.

Publicidade
Publicidade

Segundo a polícia nicaraguense, a mulher foi levada à igreja evangélica Visão Celestial das Assembleias de Deus, em El Cortezal, no noroeste do país, para uma sessão de cura, dia 15 de fevereiro.

Nessa sessão macabra, Vilma teve seus pés e mãos amarrados e ficou sob a tutela do até então pastor Juan Gregorio Rocha. A Assembléia de Deus nega conhecer o homem.

Gregorio Rocha disse em sua defesa que ela simplesmente caiu no fogo quando "o espírito do demônio saiu do corpo dela" e nega participação em qualquer crime.

A mulher ainda ficou sob a supervisão do homem quase uma semana, em cárcere. No dia 21 de fevereiro, foi preparada uma "fogueira santa" e Trujillo foi arremessada ao fogo.

Quem teve a "revelação divina" foi a diaconisa da igreja Esneyda del Socorro Orozco. Segundo a Polícia Nacional, a mulher teve em sua revelação a informação que um fogueira deveria ser feita no meio do pátio da igreja e a vítima só seria salva se fosse queimada ali.

Publicidade

Vilma Trujillo sofreu queimaduras de primeiro e segundo graus em cerca de 80% do corpo e faleceu em um hospital na capital do país, Manágua.

Até o momento, foram feitas cinco prisões, sendo a diaconisa e o pastor e outras três supostas cúmplices. A Nicarágua é um dos países onde a #Religião evangélica mais cresce. Os evangélicos já são quase 40% contra 50% de católicos.

Os Direitos Humanos na Nicarágua pediram que o governo passa a controlar mais de perto as religiões e seus atos.

Bruxaria

Reynaldo Peralta, o marido da vítima, contou que a mulher foi acusada de estar possuída, pois na semana anterior ela teria atacado pessoas com o facão. Mas ele acredita que ela não estava possessa e sim foi vítima de "bruxaria" já que ela tomava um remédio (tipo "garrafada") fornecida por um homem. Posteriormente, Reynaldo soube que o homem que fornecida o "remédio" havia estuprado sua esposa. Ele ainda disse que depois que Vilma começou a tomar o remédio começou a agir de maneira estranha.