Um homem foi espancado após ter marcado um encontro amoroso pelo Facebook, nesta terça-feira (14), na cidade de Lagos, na Nigéria. A vítima foi identificada pelas autoridades locais simplesmente como Sr. Zcent. Segundo informações de mídia local, o jovem escapou de ser assassinado depois de ir ao encontro de um amigo gay que ele conheceu na rede social Facebook.

Conforme informações repassadas pela polícia local, a vítima saiu de sua residência em Lagos para um encontro amoro com outro homem que havia conhecido pela rede social, que é morador de Ejigbo, um bairro localizado na periferia da cidade. Ainda de acordo com a polícia, quando a vítima chegou ao local do encontro amoroso, foi cercado de repente por vários moradores irritados com a sua presença no local. Zcent foi obrigado a sair de seu veículo, em seguida foi levado por seus agressores até uma igreja católica.

No local, ele foi obrigado a tirar a roupa, espancado e torturado por várias pessoas. Os agressores, após cometerem o #Crime, fugiram do local tomando rumo ignorado. Conforme informações de mídia local, o homem foi socorrido por polícias nigeriano que faziam o seu trabalho de patrulhamento e avistaram a vítima toda ensanguentada.

Ainda de acordo com imprensa local, o fato foi registrado na delegacia da Divisão Ejigbo, que está investigado o incidente, mas até no momento nenhum suspeito de ter participado do espancamento de Zcent foi preso pela polícia.

Alguns moradores de onde o incidente aconteceu confirmaram o espancamento da vitima, mas, segundo eles, o linchamento aconteceu devido a vítima querer praticar sexo gay com um homem residente do bairro. De acordo com os moradores, Zcent queria que o morador fosse até a sua residência em Lagos para eles praticarem sexo gay e ia lhe dar uma certa quantidade de dinheiro em dólares.

Entretanto, o morador se recusou e o convidou para vir ao seu encontro, onde foi surpreendido por algumas pessoas que o espancaram. O caso está sendo investigado pelas autoridades locais. #Investigação Criminal #Casos de polícia