Dificilmente imaginaríamos uma notícia assim em uma época de avanços e liberdade religiosa, mas o que era coisa da Inquisição na Idade Média repercutiu na imprensa mundial. Acusada de estar possuída por demônios, uma mulher foi queimada em uma fogueira com o objetivo, segundo os organizadores do ritual religioso, de exorcizá-la. O fato foi registrado na Nicarágua no dia 15 de fevereiro deste ano.

Vilma Trujillo García, de 25 anos, teve 80% de seu corpo queimado em função do ritual de exorcismo. Ela não resistiu e morreu uma semana depois. A polícia prendeu cinco pessoas ligadas à Igreja Evangélica Visão Celestial das Assembleias de Deus, de El Cortezal.

Publicidade
Publicidade

Elas são suspeitas de participação no ritual que causou a morte da mulher.

De acordo com testemunhas, ela estaria possuída por espíritos malignos e para libertá-la do mal, os membros da igreja a levaram para um ritual de cura no templo, onde após ter recebido uma suposta revelação espiritual, a diaconisa Esneyda del Socorro Orozco foi incumbida de comandar a cerimônia. Com base nisso, ela autorizou que uma fogueira fosse acesa no pátio da igreja para curar a mulher.

As mãos e os pés de Vilma Garcia foram amarrados e, em seguida, ela foi lançada à fogueira, onde sofreu queimaduras de primeiro e segundo graus. Populares a socorreram e a encaminharam a um hospital em Manágua. Os médicos trataram de suas feridas, mas ela não resistiu e sua morte foi anunciada no dia 28 de fevereiro.

Um dos pastores da igreja, Juan Gregorio Rocha, argumentou que quando o "o espírito demoníaco deixou o corpo" da mulher, ela caiu acidentalmente na fogueira, embora muitas testemunhas sigam afirmando que ela teria sido jogada no fogo.

Publicidade

Rituais religiosos que assustam

Existem muitos rituais realizados em igrejas que causam espanto em muita gente e por outro lado exigem muita coragem de seus praticantes. Em uma comunidade quilombola no interior mineiro algumas pessoas se arriscam a caminhar mais de dez metros sobre brasas incandescentes à meia noite. O ritual é levado a sério pelos fiéis do quilombo Mato do Tição, desde crianças até os mais velhos, entre homens e mulheres.

Já na Grécia, em um local conhecido como ilha de Chios, igrejas rivais fazem uma batalha com disparos de fogos de artifício no domingo de Páscoa. Durante o ritual, os padres das igrejas rivais celebram suas missas do lado de dentro das capelas.

Para muitos, rituais como esses são considerados normais, já para outros é um atentado contra a vida humana. #Religião #Violência #Mundo