Na manhã da última quarta-feira (15), a justiça americana condenou uma mãe e seu filho sob a acusação de estarem praticando #Crime de incesto. O caso foi decidido pelo juizado do município de Clovis, no Novo México, nos Estados Unidos. O casal ficou conhecido no ano passado, ao assumir o relacionamento, depois que um vizinho percebeu que eles tinham uma relação estranha, e não somente maternal. Após serem denunciados à polícia eles decidiram que continuariam a história amorosa e que assumiriam tudo a público. Foi assim que a imprensa internacional ficou conhecendo os dois, e trouxe à tona o tema. Ela é a americana Monica Mares, de 36 anos, e seu filho Caleb Peterson, tem apenas 19 anos.

Publicidade
Publicidade

Eles não tiveram a oportunidade de construir os laços maternos desde a primeira infância uma vez que a mulher teria dado a criança ainda bebê para adoção. Depois de quinze anos sem nenhum contato, os dois se reencontraram, e a partir desse primeiro encontro acabaram criando outros laços que não o de mãe e filho. Eles voltaram a ficar juntos no início de 2015, e como relatou em depoimento registrado nos autos do processo, a princípio havia apenas a felicidade por ter revisto o filho que tinha doado. Ao longo do tempo, à medida que foram se conhecendo o caso acabou tomando outra proporção. Monica que já tinha outras crianças, e que morava com eles, confessou ao filho mais velho que vinha experimentando sentimentos estranhos em relação a ele. Depois de um período declarou que estava apaixonada por Caleb.

Publicidade

Para a sua surpresa o jovem confirmou esse sentimento, dizendo que também estava apaixonado por ela.

Eles ainda conseguiram esconder por quase um ano que viviam em uma situação de incesto, até que foram denunciados. Na tentativa de que uma pena não fosse colocada a eles, tentaram se declarar culpados e assumirem a situação em que estavam vivendo. Dessa maneira conseguiram se livrar da sentença que chegava a dezoito meses em regime fechado. Por serem réus primários, a justiça entendeu que eles não precisariam ficar detidos. No entanto, os juízes acharam por bem que eles fossem mantidos separados. Eles serão acompanhados por oficiais e deverão ficar um ano e meio sem se verem, e depois disso deverão ficar mais um ano e meio longe um do outro, mas dessa vez sem supervisão. A mulher também foi separada de seus outros filhos e não poderá vê-los até que a sentença seja cumprida. No ano passado ela chegou a dizer que nada no mundo poderia separá-los. #Investigação Criminal