Mekenzie Guffey tem 19 anos e foi detida após pedir ajuda por estar #Grávida. A jovem americana foi se inscrever para receber auxílio estatal para o bebê, que ela está esperando, quando identificou o pai da criança. Por se tratar de um garoto de 14 anos, ela foi presa e vai responder a várias acusações de abusos sexuais, no Alabama, Estados Unidos da América. A jovem está grávida de seis semanas.

Falando com a polícia, Mekenzie disse que ela e o #adolescente se conheceram através de um amigo em um McDonalds, em dezembro do ano passado, e fizeram sexo várias vezes em seu carro. Ela também disse à polícia que com a permissão dos pais do garoto, ela ficou pelo menos uma quinzena em sua casa, onde o casal filmou um vídeo pornográfico.

Publicidade
Publicidade

No vídeo, que Mekenzie enviou para o telefone do garoto, ele aparece nu.

A jovem de 19 anos é acusada de uma série de crimes, incluindo #Estupro de segundo grau, seduzir uma criança para fins imorais e posse e disseminação de pornografia infantil. Ela foi libertada da prisão, depois de pagar uma fiança de 23.500 dólares. Sob a lei estadual do Alabama, ela pode enfrentar entre dois e vinte anos de prisão e uma multa de até 30.000 dólares, se for condenada.

A polícia começou investigando o caso, quando o Departamento de Recursos Humanos do Alabama os notificou sobre uma jovem que havia preenchido formulários listando um menino de 14 anos como o pai de seu bebê. A polícia também estaria investigando os pais do menino, por um eventual envolvimento nesses crimes. A avó da garota, Peggy Thompson, contou que Mekenzie teve uma infância difícil, de casa em casa, com uns pais viciados em droga, e que a tinham abandonado, com um irmão mais novo.

Publicidade

Eles foram viver com os avós e ela já estava trabalhando em uma fábrica de tapetes. Porém, tudo se agravou novamente, quando ela se magoou e teve que parar de trabalhar. Entretanto, o avô morreu e a menina acabou procurando conforto junto do garoto, "que parecia muito mais velho do que 14", segundo a avó Peggy.

O chefe de polícia disse que isso não era desculpa para o que ela fez, e que ela não mostrou nenhum remorso por suas ações. "Aparentemente ela estava se gabando de que ela estava grávida desse garoto. Ela pensou que era a melhor coisa, e então ela descobriu que estávamos envolvidos e era como 'Oh, não'", revelou o policial. Na sua página do Facebook, a garota tinha postado uma foto de um teste de gravidez positivo e escreveu "em breve, vou ser mamãe" como seu status, professando várias vezes a sua felicidade com a notícia de sua gravidez.

Mekenzie Guffey tem uma audiência no tribunal, marcada para dia 19 de abril.