Uma #madrasta arrancou os olhos de seu enteado, um menino de quatro anos. O ato cruel teria sido o castigo, por a criança ter molhado a cama na noite anterior. O incidente chocante aconteceu na província de Masvingo, no Zimbabué, e uma fotografia terrível surgiu para provar o #Crime. Na localidade, estão dizendo que o menino foi encontrado assim, e que a culpada teria sido a esposa do pai da #criança.

De acordo com o jornal Mirror, o menino foi encontrado sentado no chão, no meio da rua, com sangue escorrendo pelo rosto. As roupas estariam manchadas de sangue e as lesões nos olhos pareciam irreparáveis. A identidade do menino e de todos os envolvidos no caso estão sendo protegidas, mas tudo indica que teria sido a madrasta quem fez essa crueldade com o garotinho.

Publicidade
Publicidade

A imagem do menino sentado no chão e sangrando está sendo apresentada como uma das provas do crime cometido. Porém, a mulher até já teria confessado que foi ela quem fez isso com a criança. Quando a polícia chegou, alertada pelos locais, a mulher estaria rindo sobre o que tinha feito com o menino. A madrasta estaria toda animada, sem apresentar qualquer sinal de arrependimento.

Algumas pessoas, que estariam no local, escutaram a mulher dizendo sobre a criança: "Ele não é meu filho". Alegadamente, o menino seria seu enteado e se desconhece onde estaria o pai, no momento em que o filho foi vítima desse ataque vil. Também não existem informações sobre a mãe da criança, apenas que o pai estava casado com essa outra mulher.

A polícia ainda não revelou que tipo de acusações a mulher enfrentaria sobre o incidente, em um momento em que as investigações continuam.

Publicidade

Nem a polícia, nem os locais conseguiram responder o que está acontecendo com o menino, e em que estado está evoluindo sua recuperação, depois da gravidade das lesões sofridas.

A mulher teria feito isso, porque o menino teria feito xixi na cama, uma situação aparentemente comum nas crianças. De acordo com o jornal Mirror, é comum as crianças molharem a cama, até aos quatro anos, mas também até mais tarde e até algumas pessoas, já em idade adulta.