Uma mãe matou a própria filha com a alegação de que a menina estava com um espírito diabólico em seu corpo. A mulher, de nome Sofina Nikat, que já é chamada por muitos como 'Mãe do Capeta', tem 23 anos e foi flagrada realizando a ação contra a pequena Sanaya, que tinha apenas 14 meses quando foi morta. Para se defender, Sofina, que agora responde à acusação de homicídio qualificado, revelou que sua neném estava sendo controlada por forças ocultas do mal. Por isso, ela não conseguia mais controlar e educar a bebê. A mãe assassina ainda alega que levou Sanaya para seus pais. Mais velhos, eles decidiram que o melhor era que a criança passasse por uma avaliação religiosa.

A menina de um ano e dois meses então foi observada por um pregador islâmico, que segundo a 'Mãe do Capeta', a teria instruído a fazer o pior. Ele teria confirmado que a menor estava mesmo com "o coisa ruim" em seu corpo. A mãe, após não conseguir supostamente exorcizar a menina, tirando o diabo dela, decidiu pôr fim à vida da garota. O caso aconteceu em abril do ano passado, na Austrália, mas apenas agora Sofina vai a julgamento. A decisão do destino da mulher capaz de matar sua filha vai ser dada por um tribunal da cidade de Melbourne. Antes de decidir assassinar o bebê, Sofina diz que tentou métodos alternativos para tirar os espíritos malignos da criança, como o uso de água benta. A bebê, segundo sua mãe, rosnava todas as noites no telhado e a energia negativa da criança acabou a assombrando.

Questionada se havia algum arrependimento de matar a criança, a 'Mãe do Capeta' revelou que não, pois agora ela estaria em um lugar muito melhor. O cadáver da menor foi encontrado em um riacho. Apesar de ter sido flagrada jogando o corpo do bebê em um rio, a mãe nega que a tenha assassinado.

Assista abaixo ao vídeo que mostra o momento em que a mãe joga a própria filha em um riacho. As imagens forma flagradas por câmeras de segurança.

Na sua opinião, o que as autoridades deveriam fazer com uma mulher como essa? Deixe o seu comentário. A sua opinião é sempre muito importante para todos nós e ajuda no diálogo de temas relevantes para a sociedade. #Crime