Uma mãe assassinou a sua própria filha, alegando que a matou porque a criança estava possuída por um espírito diabólico. Muitos já chamam Sofina Nikat (mãe da criança), de 23 anos, de ‘Mãe do Capeta’. As câmeras de vigilância flagraram o momento em que a mãe cometeu o #Crime contra a menina Sanaya de 14 meses.

Publicidade

Sofina está respondendo por homicídio qualificado e infanticídio. Para se defender, a mulher disse que sua filha estava possuída por um demônio e que não conseguia mais educá-la e controlá-la.

Publicidade

Ela alegou que levou a menina para os seus pais e eles disseram que a criança deveria passar por uma avaliação religiosa.

A mãe, seguindo os conselhos dos pais, levou a garota de 14 meses para um pregador islâmico. Segundo ele, a menina estava com um espírito ruim que tinha que ser retirado do corpo da pequena. Sofina tentou exorcizá-la, mas não conseguiu e decidiu matar a menina para colocar um fim em tudo. O caso da pequena Sanaya aconteceu em abril de 2016, na Austrália, mas o julgamento da acusada irá acontecer somente agora.

O julgamento da ‘Mãe do Capeta’ foi realizado em um tribunal de Melbourne. A acusada disse que antes de matar o bebê, tentou vários métodos, mas não funcionou. Ela confessou que todas as noites a criança rosnava e gritava no telhado de sua casa, e que a negatividade acabou assombrando ela. Segundo os documentos judiciais, a suspeita disse que a menina tinha sido tomada por um africano que estava alcoolizado, mas depois ela confessou que inventou tudo. Logo após confessar o crime, ela disse que tampou o nariz e a boca do bebê até ela ficar sem respirar e jogou o corpo dela em um riacho..

Publicidade

O advogado de Sofina argumentou que sua cliente estava perturbada mentalmente e que a jovem só deveria responder pelo crime de infanticídio. No entanto, não foi comprovada a argumentação e ela responderá por assassinato também. A ré revelou que não se sente arrependida, já que agora sua filha está em um lugar melhor. A jovem voltou ao tribunal na última sexta-feira (17). #Justiça #Investigação Criminal