Callie Blackwell escreveu o livro 'Um menino em 7 bilhões'. O livro conta como ela acredita ter salvado a vida do seu filho, Deryn. O menino estava sofrendo com um câncer e, depois de vários tratamentos e um transplante de medula óssea sem sucesso, a família estava sem esperanças, vendo o garoto morrendo. O menino estava no hospital, e os médicos acreditavam que esses seriam seus últimos dias. A #mãe, de 37 anos, não aguentou ver o sofrimento de Deryn e, quando os médicos viraram as costas, ela deu #maconha para ele, para tentar amenizar seu sofrimento. Poucos dias depois, o menino teve uma recuperação milagrosa.

O menino estava cada vez mais fragilizado, após rodadas de quimioterapia e radioterapia.

Publicidade
Publicidade

Viciado com o analgésico morfina, nada acalmava sua dor e ele era incapaz de comer, estava coberto de feridas, náuseas e tinha perdido todos os seus cabelos.

Quatro anos depois de uma luta contra leucemia, o menino estava pronto para se entregar. "Os médicos disseram que não havia mais nada que eles pudessem fazer", disse a mãe. Desesperada, Callie e o marido, Simon, tomaram uma decisão enorme. Sem o conhecimento da equipe médica, eles decidiram dar a seu filho maconha para aliviar sua dor e ansiedade.

Aqui, neste tweet, de dezembro de 2013, os amigos não acreditavam que Deryn chegasse no final do ano.

O casal localizou um negociante, o encontrou em uma estação de serviço, entregou dinheiro e depois levou a droga para casa, onde a prepararam, de acordo com as instruções que encontraram on-line.

Publicidade

Assim que colocaram a droga na boca do menino, ele teria acalmado imediatamente. Por essa altura, Deryn tinha acabado de celebrar o 14º aniversário, no hospital, e o que aconteceu de seguida é quase inexplicável. Ele começou melhorando, pouco a pouco, e hoje, ele é um garoto feliz e saudável de 17 anos.

Está estudando, tem amigos, uma namorada e está desfrutando de tudo a vida tem para oferecer.

"Não estou aqui para dizer que a maconha pode curar o câncer ou é uma droga milagrosa", diz Callie, uma mulher pensativa e inteligente que estava estudando para se tornar uma enfermeira antes da doença de Deryn. O que ela sabe é que isso ajudou Deryn e se pergunta se não poderia ajudar em outros casos como o de Deryn.

Foto de Callie com o filho Deryn:

Callie continuou administrando secretamente a maconha e foi percebendo como as doses estavam alterando seus resultados de sangue.

Publicidade

Em poucas semanas, ele teve alta do hospital e a mãe parou de dar a droga para ele. Para muitos, isso não passou de um milagre, mas Callie não tem assim tanta certeza. Por isso, ela escreveu esse livro, acreditando que a história de Deryn possa iniciar uma conversa sobre investigação e tratamentos para o câncer. #cancer