Nesta terça-feira, 28, um fato mexeu com os habitantes da cidade de Sokoto, na Nigéria. Uma criança teria sido abusada sexualmente por outro menor de idade. O menor, de 17 anos, foi identificado pelos agentes policiais locais como Ahmad Ibrahim. Já a menina abusada não teve o nome revelado, mas teria apenas quatro anos de idade. Os pais da garota decidiram, literalmente, cortar o "mal pela raiz". Revoltados, eles decidiram dar fim ao pênis do rapaz, a fim de que ele não cometesse estupro contra outras vítimas. Os pais da vítima colocaram fogo no órgão sexual de Ahmad. Fotos de pênis chamuscado chegaram a ser compartilhadas por portais de notícias locais.

Publicidade
Publicidade

Os pais da menina abusada foram identificados pela polícia como Atiku Yahaya e Farida Hamza. Por conta do #Crime contra o menor, os dois foram presos pela polícia ainda da residência do casal. O pai e a mãe da menina tentaram convencer os agentes que fizeram o ato bárbaro como uma lição, mas não teve jeito. Eles acabaram sendo levados para a cadeia. De acordo com informações do Corpo de Segurança da Nigéria, o casal foi preso, nesta quarta-feira, 29, um dia após ter queimado o pênis do rapaz.

De acordo com o comandante da polícia local, identificado como Babangida Abdullahi, testemunhas alegam que os pais fizeram isso, pois o menino havia estuprado sua filha. Por isso, eles decidiram pagar outras pessoas para ajudarem eles a dar uma lição no estuprador. Assim, eles localizaram a casa do menor de idade e o torturaram.

Publicidade

Após bater muito no adolescente, eles ainda colocaram fogo no pênis do rapaz. O pai e a mãe da menina estuprada negam que fizeram tudo isso. O menor acabou sendo levado para o Hospital da região, onde está sendo tratado. Ainda não se sabe se o pênis dele poderá ser recuperado.

Na delegacia, o casal explicou o que aconteceu. Eles dizem que não torturaram ninguém e nem botaram fogo no pênis do rapaz, mas a polícia, que já tinha outros depoimentos, acabou encaminhando a dupla para um presídio da região. Eles devem aguardar um julgamento no local.