Crimes envolvendo estupro, infelizmente, são uma constante no Brasil e no mundo. Muita gente não sabe como frear esse tipo de ação. No entanto, algumas modalidades de abuso sexual chamam a atenção, como o que foi noticiado nesta terça-feira, 14, por todo o mundo. De acordo com uma reportagem do portal de notícias R7, uma menor de 17 anos foi estuprada na Itália por meses. Os abusos, além de terem durado muito tempo, ainda eram realizados por vários homens ao mesmo tempo, no que acredita-se ser um ritual de magia negra. Inicialmente, os religiosos do ritual, que agora vão ter que responder ao #Crime bárbaro, falavam que o sexo coletivo, na verdade, não passava de sessões terapêuticas.

Publicidade
Publicidade

A polícia italiana chocou os jornalistas europeus ao contar o que acontecia com a garota. Até então, o caso era apurado em segredo. No entanto, três dos acusados foram presos na cidade de Turim. A prisão fez com que os investigadores revelassem o motivo para aqueles homens estarem sendo levados para trás das grades. Um dos detidos foi Paolo Meraglia, de 69 anos, que era quem organizava os rituais. Ele era uma espécie de curandeiro. Para estuprar a menor, o curandeiro dava a ela uma espécie de alucinógeno, ministrado a partir de ervas naturais. A garota tinha visões ao tomar o tal líquido.

Outro preso, segundo o R7, é Biagino Viotti, hoje com 73 anos e um homem aposentado. Era ele quem acobertava o crime e sedia o local para que a menina fosse violentada tantas vezes e por tanto tempo.

Publicidade

O terceiro e último preso é um rapaz de 19 anos. Ele, por sua vez, era incentivado pela própria mãe a cometer o sexo sem o consentimento da garota. Ela ainda fazia questão de assistir ao filho molestar a jovem. A vítima ainda era obrigada a fazer uma encenação na qual se passava por uma serva, enquanto o curandeiro seria o seu mestre, uma espécie de professor, capaz de curar suas mazelas com o sexo.

De acordo com os relatos de testemunhas, a jovem era drogada ao final da cerimônia, quando o #Estupro coletivo acontecia. A celebração de magia negra era assistida por outras pessoas, que também podem responder por tal bárbaro crime. A polícia da Itália quer saber se mais vítimas foram violentadas sexualmente. Na casa onde os abusos ocorreram, livros ligados à magia negra foram encontrados.