Nesta terça-feira, 28 de fevereiro, morreu, aos 25 anos, uma mulher chamada Vilma Trujillo, após ter sido vítima de intolerância religiosa e de um aparente crime de homofobia, em Manágua, capital da #Nicarágua.

Segundo familiares da vítima, ela estaria sendo perseguida por uma seita religiosa denominada de "Assembléa de Dios", após acusações de alguns dos membros desta seita, de que ela estaria sendo possuída por demônios. O pastor desta denominação religiosa, Juan Gregorio Rocha Romero, disse que Vilma se jogou na fogueira após ter sido possuída por um demônio.

No entanto, testemunhas afirmaram ao jornal "La Prensa", que a mulher teria sido amarrada e queimada viva na fogueira, e, logo em seguida, seu corpo teria sido jogado em um desfiladeiro.

Publicidade
Publicidade

Foram detidos o pastor, Juan Romero, e mais quatro de seus seguidores, todos sob acusação de homicídio.

Profecia dos céus

Juan Romero disse aos investigadores que uma mulher, membro de sua igreja, havia recebido uma profecia dos céus, onde teria sido revelado a ela, que a vítima teria sido obrigada a cometer um pecado, e, por isso, ela teria sido possuída por demônios.

No entanto, o esposo de Vilma Trujillo, Reynaldo Rodriguez Peralta, afirmou que sua esposa teria sido violentada a algum tempo atrás, fato que as autoridades não confirmaram, e disse ainda, que toda sua família teria sido ameaçada por várias vezes, após a prisão dos acusados de cometer o ato de #Violência contra sua mulher.

Este caso chocou todos os cidadãos nicaraguenses, e principalmente os moradores desta comunidade chamada de Cortezal, que fica no interior do país, e que se situa nas proximidades da cidade de Rosita na região caribenha da Nicarágua, uma região muito distante, muito pobre, e economicamente deprimida e esquecida pelas autoridades daquele país.

Publicidade

A Nicarágua é um país com pouco mais de seis milhões de habitantes, e registra mais esse caso de violência extrema, cometido por intolerância religiosa, e que nos últimos quatro anos contabilizou mais de 345 mortes de mulheres. #Seita Religiosa