Um fato chocante, ocorrido na Nicarágua, deixou o mundo perplexo. Principalmente religiosos sérios e ligados à correntes evangélicas menos extremistas, no que diz respeito às suas crenças e práticas ritualísticas. Uma jovem de 25 anos foi #queimada viva, sob alegação de estar passando por um processo de cura. Argumento usado pelos dirigentes da igreja, que disseram que a jovem havia sido submetida a um suposto exorcismo.

Ela teve os pés e mãos amarrados e 80% do corpo queimado, vindo a falecer uma semana depois do #Crime. A jovem Vilma Triyillo foi levada para uma oração de cura, no dia 15 de fevereiro, no Templo Visão Celestial das Assembleias de Deus, em El Cortezal, ao norte da Nicarágua.

Publicidade
Publicidade

Testemunhas contaram à polícia local que ela ficou sob a supervisão do pastor da igreja, que posteriormente foi identificado pelas autoridades locais como Juan Gregório Rocha. Entretanto, a igreja nega reconhecer tal pastor.

As autoridades ainda apuraram que a vítima foi encaminhada a um ritual de cura pela diaconisa Esneyda del Socorro Oroczo ao pátio da referida igreja, onde havia uma fogueira. Lá chegando, foi atirada ao fogo, amarrada e sem chance de defesa. Ela sofreu queimaduras de primeiro e segundo graus e, apesar de ter sido socorrida com vida, e levada para o hospital na capital, Manágua, não resistiu a gravidade dos ferimentos.

O marido de Vilma, Reynaldo Peralla, afirma que a esposa foi levada de casa a força e que a igreja a acusava de estar possuída por um demônio, e que ela, Vilma, ameaçava pessoas com facas por causa da tal possessão.

Publicidade

Vilma era mãe de duas crianças, das quais não foram divulgadas as idades.

Até o momento, cinco pessoas foram detidas, dentre elas, a diaconisa Esneyda Orozco e o pastor Gregório Rocha, cujo depoimento alega que a vítima se desequilibrou quando o demônio saiu de seu corpo, e ela veio a cair por cima da fogueira acidentalmente.

A Comissão dos Direitos Humanos da Nicarágua está atuando no caso e, através do porta-voz Pablo Cuevas, pediu aos governantes um controle mais rígido no que diz respeito às práticas religiosas do país. #Igreja Evangélica