Vilma Trujillo, de apenas 25 anos, acabou morrendo após ter 80 porcento de seu corpo queimado depois um ritual na #Igreja Evangélica Visão Celestial das Assembleias de Deus, em El Cortezal, Nicarágua. A mulher ainda sofreu uma semana dentro de um hospital para tentar se salvar dos ferimentos, sem sorte.

As investigações da polícia apontam que Vilma foi levada para o que eles chamam de "oração da cura", ela foi obrigada a ficar com as mãos e os pés amarrados orientada pelo pastor da igreja, Juan Gregorio Rocha. Uma outra mulher também integrante da igreja, Esneyda del Socorro Orozco, disse que uma "revelação divina" a orientou para que uma fogueira fosse instalada dentro da igreja e que Vilma fosse curada através do poder do fogo.

Publicidade
Publicidade

O caso de crueldade comoveu toda a Nicarágua.

O marido da vítima, Reynaldo Peralta, disse que sua mulher foi levada à força por participantes da seita. Os evangélicos acusaram Vilma de ter atacado pessoas com um facão, então ela precisaria de uma "cura". Peralta acredita que sua mulher não estava possuída pelo demônio, mas diz que ela foi vítima de uma "bruxaria". "Ela tomava um remédio dado por um homem que, pelo que fiquei sabendo agora da família dela, a havia estuprado."

Pastor

A defesa do pastor responsável pelo culto disse que a mulher estava sim, dominada pelo demônio, e que depois que o impostor saiu do corpo da vítima, ela acabou caindo na fogueira. Ele nega fielmente que ninguém jogou a moça no fogo.

Dos evangélicos que participaram da "celebração", cinco pessoas foram detidas, incluindo o pastor e Esneyda Orozco.

Publicidade

Nesses últimos 20 anos, a proporção de católicos na Nicarágua vem caindo, os evangélicos abrangem cerca de 40 porcento da população e os católicos são menos que 50 porcento.

A Comissão de Direitos Humanos da Nicarágua pediu que o controle de entidades religiosas seja feito com mais critério para evitar esses tipos de barbaridades. A vice-presidente do país, Rosario Murillo, disse que esse episódio mostra uma "situação de atraso lamentável". #Crime #Morte