Kate e Gerry #McCann perderam o terceiro e último processo judicial, em que estavam tentando silenciar um policial que afirma que o casal fingiu o desaparecimento de sua filha, #Maddie. 'Maddie: A Verdade da Mentira' é um livro escrito por Gonçalo Amaral, o policial que liderou o início das buscas por Madeleine McCann, depois que ela desapareceu de um apartamento em Portugal, em maio de 2007. Os pais da menina tentaram impedir a venda do livro, acusando o português de difamação, mas um juiz da corte suprema decidiu em favor do detetive, sustentando o que chamou de "seu direito à liberdade de expressão".

Não há um tribunal superior em Portugal, o que significa que os McCann gastaram todas as suas opções e não podem mais atrasar a venda do referido livro.

Publicidade
Publicidade

No livro, Gonçalo Amaral, ex-chefe da polícia judiciária portuguesa, afirma que os McCann fingiram o rapto de sua filha. O casal havia saído para jantar com amigos, deixando Maddie, de três anos, com os irmãos mais novos, no apartamento de férias, no Algarve. No regresso, eles teriam inventado a história do desaparecimento da menina, para encobrir a sua morte dentro do apartamento.

Quando a polícia inglesa ficou liderando a investigação, Gonçalo Amaral escreveu o livro, em 2008, onde expôs a sua tese sobre o caso, tendo por base a sua investigação. Os McCann acreditam que esse livro prejudicou a investigação, com 'falsos argumentos', e chegaram mesmo a pedir uma indenização de mais de 500 mil dólares. Porém, suas acusações têm caído todas e, Amaral não só não vai pagar indenização alguma, como ainda vai voltar a vender o seu livro.

Publicidade

A #Justiça está cada vez mais 'apertando' os McCann. No início deste ano, o tribunal português afirmou que os pais não foram acusados, mas isso não significava que eles fossem inocentes neste caso. E, na semana passada, o policial Moita Flores, especialista criminal, declarou que a menina "morreu no apartamento", enquanto que, na Inglaterra, Katie Hopkins, declarava na TV que os pais deveriam ser condenados por 'negligência' de terem deixado três crianças, com menos de quatro anos, sozinhos em um apartamento.

Entretanto, vários ingleses criaram uma petição online que já conta com milhares de assinaturas para que Gerry e Kate McCann sejam julgados, por abandono. Em Portugal, ficou declarado que eles não foram acusados, em 2007, "por compaixão", perante um cenário de uns pais que haviam acabado de perder sua filha.