De acordo com informações do tabloide inglês 'Mirror', em reportagem publicada nesta segunda-feira, 20, o australiano Edward John Herbert, que ficou conhecido como o "pai encapetado", vai ser julgado nessa semana, em um tribunal na cidade de Perth, na Austrália.

Edward ganhou esse tipo de apelido depois que decidiu queimar a própria filha viva. Para isso, ele tacou gasolina no rosto da criança e, em seguida, a incendiou. O australiano disse que ficou "possuído" pela beleza da bebê e que a atacou por ela ser "bonita demais". A menina teve queimaduras gravíssimas e ficou com o rosto desfigurado. Ao todo, ela teve 13% do corpo queimado.

Publicidade
Publicidade

As cicatrizes da menor, como indica o 'Mirror', ficaram por toda a parte.

O pai não fez isso apenas com a bebezinha. A irmã dela, de 7 anos, também chegou a ter o corpo banhado pela gasolina. No entanto, ela teve mais sorte e não foi incendiada. Em entrevista dada aos policiais que atenderam ao caso, o pai das menores informou que o seu maior desejo era matá-las. Apesar disso, os advogados dele tentam inocentá-lo de cinco acusações diferentes. O argumento é que Edward John Herbert teria problemas mentais e que, por isso, cometeu o #Crime. Já quem não concorda com essa visão mostra que, no dia do crime, o homem usou drogas como maconha, além de estar alcoolizado.

A advogada de acusação do caso, Amanda Forrester, conversou com o 'Mirror' e revelou que o australiano tinha uma postura costumeiramente agressiva e que já havia, por exemplo, tentado atacar a companheira com uma faca.

Publicidade

Além disso, o acusado de abusar da filha com fogo já teria, inclusive, tentado explodir a própria residência, com ele próprio dentro. A filha mais velha do casal tem autismo e necessidades especiais. O crime contra as duas aconteceu na frente da mãe das crianças. Ela ficou desesperada ao ver o pai fazer isso. Foram os seus gritos que alertaram um vizinho, que ajudou a socorrer a criança.

O australiano agora pode ficar muitos anos recluso. Suas filhas, apesar da tragédia familiar, passam bem. A mãe ainda continua com a guarda delas. #Investigação Criminal