Um pastor, que é líder do Movimento Missionário Mundial no Peru, teria incitado que os fiéis de sua igreja matassem homossexuais, alegando que eles não são obra de Deus.

O Ministério Público do Peru abriu um inquérito para investigar o caso e o pastor, corre o risco de ser denunciado criminalmente por incitar o homicídio de homossexuais. O pastor aparece em um vídeo em que convoca seus seguidores para participarem de um evento contra uma medida governamental, a favor da igualdade de gênero no novo currículo escolar do Peru.

O pastor diz que os homossexuais, assim como os ateus e os corruptos, devem ser mortos. No decorrer de sua fala, ele cita que se alguém encontrar duas mulheres tendo relações, elas devem ser mortas.

Publicidade
Publicidade

Após a repercussão do caso, o Movimento Missionário Mundial justificou dizendo que as imagens divulgadas se tratam de parte de uma pregação em que, o pastor fala dos mandamentos do Velho Testamento, que de fato existe. Ainda salienta que, felizmente, o mundo não vive sob o Velho Mandamento.

O pastor também emitiu uma nota dizendo que respeita todo ser humano e que o trecho da pregação divulgada, era sobre o Velho Testamento, sem o intuito de incitar a violência, mas de apenas informar sobre o antigo livro sagrado.

Uma das passagens bíblicas que cita o homossexualismo é 1 Coríntios 6:9-11, que fala que homossexuais, bem como avarentos, suicidas, idólatras, entre outros, não herdarão o Reino dos Céus.

Pela internet, alguns ativistas repudiaram a declaração do pastor e acabaram generalizando, dizendo que todo líder religioso prega a intolerância.

Publicidade

Fato que tem gerado discussões entre pessoas de opiniões distintas.

Quanto ao pastor, o MP do Peru continuará investigando para saber se de fato as imagens divulgadas se tratam de uma pregação completa sobre tal passagem bíblica, ou se o religioso usou seu poder de liderança para incitar o ódio e intolerância contra os gays.

A ministra de educação do Peru, negou que o currículo escolar tenha políticas de ideologia de gênero, mas salientou que buscam a igualdade entre os gêneros. #Religião #Crime #Investigação Criminal