Os primeiros testes realizados em ratos e cobaias humanas estão sendo divulgados por pesquisadores alemães. Estima-se que a vacina será utilizada para ativar o sistema imunológico dos pacientes para combater qualquer tipo de tumor independente de sua área de atuação no organismo. Após ser injetada nos músculos, a vacina contém em sua fórmula pedaços de RNA, que são retirados das células cancerígenas dos pacientes.

O processo incita organismo a produzir células T para que estas ataquem os tumores como se eles fossem uma espécie de vírus. Isso faz com que o sistema imunológico do paciente consiga combater as células cancerígenas de forma eficaz.

Publicidade
Publicidade

Segundo os cientistas da Johannes Gutenberg University of Mainz, as vacinas apresentam um baixo custo de produção. Além disso, os antígenos tumorais podem ser codificados de acordo com o RNA dos pacientes.

Nos últimos meses, os pesquisadores estão testando diversas versões da vacina em pacientes diagnosticados com câncer de pele e melanoma. O objetivo da pesquisa é testar a vacina em pessoas para avaliar sua eficácia. Os resultados foram considerados promissores, e apresentaram pequenos efeitos colaterais, com sintomas semelhantes ao de uma gripe. Agora os pacientes receberam um ano de acompanhamento. Se tudo ocorrer dentro do planejado serão realizados mais testes para averiguar a eficácia da vacina. Se aprovada, o medicamento poderá representar uma nova esperança no tratamento do câncer.

Publicidade

Realidade vivida pelos moradores de Cuba, quando em janeiro de 2013, os pesquisadores do Centro de Imunologia Molecular de Havana, anunciaram o desenvolvimento de uma segunda vacina para o tratamento de câncer de pulmão. Denominada Racotumomab, a vacina está em estágio avançado de testes. A primeira #vacina contra o câncer de pulmão, já havia sido aprovada em janeiro de 2011, pelo Centro para o Controle Estatal da Qualidade de Medicamentos. De acordo com as autoridades cubanas, o câncer de pulmão é a doença com maior incidência de morte em Cuba, onde cerca de cinco mil pessoas sofrem da enfermidade. #Doenças #Saúde