O controverso e longe de ser uma unanimidade, Recep Tayyip Erdogan, atual presidente da #Turquia, que ultimamente vem ocupando os noticiários internacionais devido aos conflitos na região da Ásia Menor, como a prisão e assassinato do povo curdo a mando do governo de Ancara, a invasão do espaço aéreo e marítimo da Grécia milhares de vezes, desrespeitando os dispostos e convenções internacionais, a intervenção no conflito da Síria, a derrubada de uma aeronave de combate da Rússia em espaço aéreo sírio, negociação de petróleo com o grupo terrorista Daesh ou EI (Estado Islâmico), entre tantos outros focos negativos, experimentou, em 11 de março, sábado, um pouquinho do seu próprio veneno, uma vez que o avião do chanceler da pasta das relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu, não recebeu autorização por parte das autoridades holandesas para fazer a aterrissagem no país.

Publicidade
Publicidade

Fronteira da Grécia com a Turquia em direção a Ancara

O mais curioso, ou cômico, de todo esse imbróglio diplomático, é que Erdogan classificou os governantes da #Holanda de fascistas em função deste ato. Por outro lado, não foram os holandeses que se aliaram, por exemplo, durante a 2ª Guerra Mundial com o governo nazista de Hitler, nem tão pouco foram os holandeses que participaram do genocídio de milhões de armênios, gregos, assírios e mais atualmente do povo curdo ao longo dos capítulos da história humana.

Entretanto, como bem falam os especialistas em política internacional, os turcos são exímios exportadores de crise para outros países, quando a situação interna na Turquia não vai nada bem, o que é comprovado com a visão míope de Erdogan ao se referir aos holandeses dizendo que “eles não sabem nada nem de política, nem da diplomacia internacional.

Publicidade

São sobrevivências do nazismo, e eles são fascistas", algo totalmente parodoxal, pois a descrição acima é muito mais apropriada aos políticos e militares da Turquia.

Recep Tayyip Erdogan insiste na pergunta ao falar, no mesmo sábado, do incidente diplomático à imprensa do seu país, dizendo como que os aviões com diplomatas holandeses pretendem aterrissar na Turquia, se as autoridades holandesas, por sua vez, não permitiram que o mesmo acontecesse com o avião que levava o chanceler turco. Ainda na parte da manhã do sábado, o homólogo holandês de Mevlut Cavusoglu, esclareceu que o avião turco foi proibido de pousar na Holanda simplesmente por uma questão de "segurança pública".

Cavusoglu tinha como objetivo fazer um discurso em Roterdã diante de líderes turcos, representando os muitos imigrantes da Turquia que moram na cidade. É impossível conceber que a Holanda de fato aceitasse a “visita” do turco, uma vez ele ameaçando previamente os holandeses de que, se estes últimos cancelassem a sua viagem, o governo da Turquia trataria de aplicar duras sanções com grande repercussão econômica e política ao país do Norte da Europa. #Grécia