O presidente dos EUA acaba de assinar um decreto que anula uma série de medidas do governo de Barack Obama para tentar frear o #Aquecimento Global. O chamado Plano de Energia Limpa (em inglês, "Clean Power Plan") é um projeto que envolve múltiplas ações para diminuir a emissão de gás carbônico por empresas geradoras de energia, atingindo principalmente aquelas que se alimentam da queima de combustíveis fósseis, além de aumentar o uso de energia renovável.

Em 2012, #Donald Trump chegou a afirmar que o aquecimento global era uma história criada pelos chineses. Hoje, ao assinar o decreto, declarou estar colocando um fim à "guerra contra o carvão" e à eliminação de empregos causada por ela.

Publicidade
Publicidade

A proposta de Trump envolve também aplicar menos restrições às empresas de exploração de petróleo quanto à emissão de gás metano e rever as regulações impostas à exploração do gás de xisto.

Segundo pesquisa de 2015, a indústria alimentada pelo carvão era responsável por 33% da energia gerada nos #Estados Unidos. A mineração de carvão tem se mostrado, ao longo da história, uma atividade extremamente perigosa e mineradores são submetidos a riscos diários de morte. Além do combate à poluição, restringir a demanda pelo carvão é uma forma de reduzir a atividade de minas, nas quais desastres têm ocorrido até os dias atuais, levando à morte de, em média, 28 mineradores por ano, de acordo com estatísticas recolhidas entre os anos de 2005 e 2014.

A exploração do gás de xisto no país se tornou um grande vilão ambiental quando estudos revelaram o alto índice de contaminação da água e do solo em consequência da extração da rocha, além de provocar tremores de terra.

Publicidade

Em 2010, uma pesquisa realizada pela Agência de Proteção Ambiental dos EUA revelou que o processo de extração do gás emite mais metano que a do gás convencional, sem falar no uso de grandes volumes de água para fraturar a rocha, que volta ao solo contaminada e sem chances de reaproveitamento. No documentário "Gasland", exibido em 2013, moradores próximos aos poços de exploração denunciam o vazamento de gás e, em uma cena, um homem consegue colocar fogo na água que corre de sua torneira, contaminada com metano.

O ceticismo de Donald Trump em relação ao aquecimento global e sua preocupação unicamente voltada para o benefício econômico das grandes empresas estadunidenses colocam o país na contra-mão do acordo de Paris aprovado na Conferência do Clima. Os Estados Unidos são, atualmente, o principal país responsável pelo aumento de temperatura no globo, seguido de China, Rússia e Brasil. Vale lembrar ainda que nosso maior vilão, em terras brasileiras, é o desmatamento, de acordo com estudo realizado na Universidade de Concórdia, no Canadá, em 2014.