O jogador #Neymar e seus familiares se tornaram alvo de investigações em processos que tramitam na Espanha e no Brasil. O caso ficou conhecido pelos espanhóis como "Neymar 2" e focam no empresário do jogador, seu próprio pai. O andamento das investigações podem levar o jogador e seu pai até a #Prisão.

O dono do DIS (grupo de investimentos), Delcir Sonda, fez várias críticas ao pai do jogador, afirmando que ele seria uma verdadeiro "vagabundo". O DIS tinha o direito de receber cerca de 40% da transferência milionária do jogador, o empresário Sonda cita que Neymar só foi para o Barcelona após ter sido subornado pelo presidente Sandro Rosell.

Publicidade
Publicidade

Sonda conta que o primeiro clube que entrou em contato com Neymar foi o Real Madrid e o jogador mostrou grande interesse, chegando até mesmo a realizar exames médicos. O time iria pagar 65 milhões em euros para o jogador.

Sonda não suportou a ideia do pai de Neymar "aceitar a subornação" e enfatiza que isso é um grande crime de #Corrupção. O empresário cita que Neymar é regido pela má influência, chamando o pai de Neymar de "vagabundo e picareta". "A avareza desse homem vai levá-lo para o mau caminho. Desde o início ele se aproveitou de Neymar.".

História

O dono da DIS ainda revelou uma história envolvendo Neymar e o jogador Paulo Henrique Ganso, quando ambos participaram de um propaganda publicitária para a marca "Gillete". Neymar, em conversa com Ganso, se surpreendeu com o valor do cachê da propaganda e questionou Sonda sobre a diferença negativa de seu trabalho em comparação com o de Ganso.

Publicidade

Por que estaria ganhando menos?

A resposta veio à tona logo depois, Neymar descobriu que seu pai "passava a mão" em metade do valor das propagandas publicitárias. O dono do grupo de investimento enfatizou que nunca perdoaria o pai de Neymar pela sua má postura e picaretagem, mas um perdão ao jogador, talvez.

O DIS entrou com uma ação pedindo indenização de 195 milhões de euros, além disso, pedem uma condenação ao jogador de até cinco anos de cadeia. Já os promotores do Ministério Público da Espanha, enfatizam querer dois anos de cadeia e mais 10 milhões de euros em multa.