A tensão entre os Estados Unidos e a Rússia há anos não é tão grande. Desde a queda do muro de Berlim, nunca os dois países se atacaram tanto. A grande diferença é que nas décadas anteriores tudo não passou de palavras, mas, recentemente, o governo de Donald Trump atacou uma aliado de Putin, a Síria. Trump mandou que as Forças Armas americanas jogassem bombas contra uma base militar do governo sírio, após fontes confirmaram que o regime ditatorial local teria usado armas químicas contra civis. Os EUA chegaram até a dizer que, caso necessário, tem a chamada "mãe de todas as bombas" para ser usada. Na sexta-feira, 14, no entanto, como mostra uma reportagem do site da Revista Veja, foi a vez do governo russo dizer que se Trump tem a mãe, Putin tem o "pai de todas as bombas".

Publicidade
Publicidade

O "Pai" seria bem mais forte que a arma americana, como mostram reportagem da mídia russa. Ambos armamentos são muito potentes, mas não são feitos com energia nuclear, como foi o caso de bombas jogadas ao final da 'Segunda Guerra Mundial' na cidade de Hiroshima, no Japão. A tensão entre as potência já faz até analistas cogitarem uma possível '3ª Grande Guerra', já que o que envolve a síria interessa também muitos países ao redor, especialmente os da Europa. Isso porque o país, inevitavelmente, exporta refugiados e alguns membros terroristas do Estado Islâmico, responsáveis por inúmeros atentados nos últimos tempos contra cidadãos que nada tem a ver com essa briga toda.

A comparação entre as bombas e os termos 'Pai' e 'Mãe' foi publicada em matérias das agências de notícias RT e Sputnik um dia após os americanos usarem seu explosivo.

Publicidade

Ainda na quinta-feira, as Forças Armadas americanas explodiram o GBU-43/B #Moab (Massive Ordnance Air Blast bomb). O explosivo foi utilizado em um território considerado hostil para os americanos, o Afeganistão, país que ficou conhecido mundialmente após os atentados contra as Torres Gêmeas do World Trade Center, na cidade de Nova York. Aquele atentado, em 11 de Setembro de 2001 foi reivindicado pelo terrorista Osama Bin Laden, já morto anos depois pelo exército dos EUA.

Veja abaixo um vídeo com o poder de destruição da MOAB:

A #Bomba lançada contra o Afeganistão teria matado mais de 90 membros do Estado Islâmico. Já a Rússia tem a chamada #ATBIP, que tem capacidade quatro vezes maior do que o explosivo de Trump.

As agências de notícias russas falam em capacidade de explosão em 44 toneladas. O raio de destruição do explosivo dos russos seria de 300 metros, contra 140 metros dos americanos. A bomba de Putin foi desenvolvida no ano de 2007.

Abaixo, veja um teste com a bomba da Rússia: