O covarde ataque ocorrido na Síria, na última terça-feira, 04, que já ocasionou a morte de mais de 80 pessoas. Segundo uma ONG, autópsias confirmam o uso de armas químicas. Entre os mortos, há trinta crianças e vinte mulheres. De acordo com inteligências dos Estados Unidos, a Organização Mundial da Saúde e a ONG Médicos Sem Fronteiras, o uso de gás tóxico foi confirmado no ataque.

"Foram realizadas autópsias em Adana (Sul da Turquia) de três corpos transportados de Idlib. Os exames revelaram que armas químicas foram utilizadas", afirmou o ministro Bekir Bozdag, da Turquia. As vítimas apresentaram vários sintomas, desde vômitos, pupilas dilatadas, espuma saindo da boca e convulsões.

Publicidade
Publicidade

O Gás Sarin, uma das armas químicas mais letais que existem, pode ter sido usado neste ataque, mas autoridades não confirmaram ainda. O gás em questão provoca sintomas parecidos com os das vítimas, porém, não foi revelado nada em relação ao tipo de substância utilizada no ataque.

Até o momento, a ONU não apontou nenhum responsável pelo ataque. O governo americano aponta o regime de Bashar al-Assad como principal responsável, pois o ataque ocorreu em um território ocupado pela oposição do regime de Bashar. Porém, o governo russo, aliado do regime, afirmou que o gás foi vazado após um bombardeio ocorrido em um depósito de armas rebelde. "No território do depósito havia oficinas que produziam munições de guerras químicas", afirmou Igor Konoshenkov, porta do voz do Ministério da Defesa da Rússia.

Publicidade

"Suas mortes são uma afronta à humanidade", afirmou Trump em conferência na Casa Branca. O presidente condenou fortemente a ação do regime de Bashar al-Assad, que, após isso, mudou sua opinião sobre o mesmo. Um vídeo, com cenas fortes, circula na internet, mostrando o desespero das vítimas do ataque. Nas imagens abaixo, é possível ver crianças agonizando com os efeitos do ataque além da emergência tentando conter a todo custo a infecção.

Assista abaixo o vídeo dos ataques. Atenção: contém imagens de dor e sofrimento:

#síria #Russia #Donald Trump