Após aterrorizar a #Neta de apenas 7 anos, na cidade de Oklahoma, nos Estados Unidos, uma mulher de 51 anos foi condenada à prisão perpétua, por se vestir de #bruxa e torturar a criança. A norte-americana Geneva Robinson foi flagrada batendo, chutando, queimando e obrigando a neta a dormir com os cachorros do lado de fora da casa, além de torturar a menina psicologicamente, de forma perturbadora.

Os crimes, que aconteceram entre junho e setembro de 2014, foram cometidos quando a criança foi morar com a avó, após seus pais se divorciarem. De acordo com informações do jornal The Oklahoman, Geneva obrigava a criança a viver em uma casa de horrores.

Publicidade
Publicidade

Segundo a promotoria que acompanhou o caso, os atos cometidos pela mulher irão impactar na vida da menina para sempre e, por isso, ela foi condenada sem nenhuma misericórdia do júri.

A juíza responsável pela sentença da norte-americana mostrou duas fotos da criança, antes e depois de ir morar com a avó. Na fotografia da menina retirada antes de ir morar com a torturadora, era possível ver a felicidade no olhar da garotinha, que tinha cabelos longos e era visivelmente bem cuidada. Na imagem registrada após os abusos, a garota já estava irreconhecível, com um olhar de tristeza, cabelos curtos e várias marcas pelo corpo.

Um vídeo publicado no YouTube mostra como a mulher agia com a neta. Ele foi descoberto no celular de Geneva e utilizado como evidência no caso. Com cenas fortes, através do vídeo é possível perceber o desespero da criança, enquanto ela é assustada e arrastada pela mulher pela casa.

Publicidade

Nas imagens, a americana usa uma capa preta, máscara e dedos pintados de verde.

O vídeo mostra "a bruxa" dando vários golpes na garota com um rolo de macarrão, enquanto grita com a menina. A mulher contava ainda com a ajuda de seu namorado, Joshua Granger, de 33 anos, que também foi condenado a 30 anos de cadeia por ser cúmplice e ajudar Geneva.

Assista ao vídeo (contém imagens fortes):

No tribunal, Geneva alegou que sofre de transtorno bipolar e esquizofrenia, além de tomar diversos medicamentos para controlar a doença. De acordo com sua advogada, ela assume que foi longe demais com a neta e justifica sua ação com base na criação que teve, em uma época na qual era comum este tipo de correção para com os filhos.

O pai da criança, filho de Geneva, disse que, se ela tivesse tomado a medicação corretamente, não teria agido de tal forma com a neta. Os promotores planejam, ainda, colher depoimentos dos filhos já adultos da mulher, com o intuito de constatar que eles também sofriam as mesmas torturas quando crianças. #tortura