Nesta quinta-feira, 6, diversos sites em todo o mundo divulgaram o caso de um abuso sexual envolvendo uma mulher deficiente. De acordo com informações do portal de notícias R7, a mulher foi mantida por oito anos como escrava sexual de um casal sem piedade. O caso aconteceu na Região Sul da Irlando do Norte. O #Crime aconteceu durante os anos de 2004 até 2012. A deficiente era deixada em um ambiente assustador, que sequer tinha o básico, como luz, cortinas e roupas de cama. No quarto, havia apenas um colchão, almofadas imundas e uma lixeira.

A mulher era obrigada todos os dias a transar com o marido. O homem, identificado como Keith Baker, de 61 anos.

Publicidade
Publicidade

Já sua esposa, que também concordava com os ato, foi identificada como Caroline, de 54 anos. Como os estupros eram diários, pode se dizer que a vítima foi abusada mais de duas mil vezes. Um horror, que agora é dividido com o mundo. O crime é visto como tão grave que até as autoridades pronunciaram-se dizendo estarem chocadas. Um exemplo foi dado pelo chefe da proteção pública da polícia irlandesa, George Clarke. De acordo com ele, esse foi o crime mais terrível e depravado que viu em toda a sua carreira.

Por conta dos crimes contra a mulher, o abusador foi condenado a 15 anos de reclusão e mais outros cinco anos em liberdade condicional. Já a esposa ganhou pena bem menor. Ela terá que ficar na cadeia por dezoito meses e na condicional por mais dezoito. Quem descobriu todo o crime foi a ex-mulher de Keith, Mandy Highfield.

Publicidade

Ela foi quem denunciou tudo. A vítima chegou a ser procurada por algum tempo por sua família, mas a demora em encontrá-la fizeram os familiares desistirem da empreitada. A ex de Keith tem quatro filhos com ele. O homem tem outros quatro herdeiros com Caroline.

Estado de saúde da vítima era espantoso

A ex passou a viver com o casal e, aos poucos, descobriu o que acontecia. Ela decidiu denunciar a situação. A vítima estava há tanto tempo presa que, na hora de ser liberta, estava com medo de sair da chamada 'Casa dos Horrores', como o local é chamado na mídia internacional. Os abusos, como mostram a reportagem do R7, muitas vezes, ainda eram filmados. Ao ser achada, a estuprada tinha apenas um dente na boca e 38 Kg. A mulher tinha deficiência em aprendizagem.