Essa semana a divulgação de um #Crime bárbaro chocou os moradores de uma pequena cidade no sul da Irlanda do Norte. A polícia local localizou uma mulher que ficou por pouco mais de oito anos presa, em um quarto na residência onde morava Keith Baker, de 61 anos, e sua esposa, Caroline, de 54 anos. O casal é responsável por manter em cativeiro a jovem por todo esse tempo, onde ela era abusada sexualmente pelo homem de maneira sequencial. Ao longo dos anos, a vítima viveu em um quarto escuro, que continha somente uma cama sem lençóis, e uma lata de lixo. Além disso, no cômodo havia uma câmera instalada no teto, com a qual o homem filmava os abusos sexuais que cometia contra a jovem.

Publicidade
Publicidade

A história trágica aconteceu no município de Armagh, e a mulher foi mantida em cárcere privado de 2004 a 2012. Ela seria uma inglesa que foi traficada da cidade de Soffolk, para a Irlanda e desde então mantida na casa do casal. A vítima não teve seu nome divulgado, mas segundo os policiais que fizeram o resgate ela foi encontrada pesando apenas 38kg, e sem todos os dentes da boca. A jovem tinha sinais claros de desnutrição e maus-tratos. A polícia confirmou ainda que a mesma possuía déficit cognitivo, e que por isso nunca teria tentando sair do local, apesar de todos esses anos. A vida para a jovem era um verdadeiro inferno, sem poder nem mesmo ver a luz do dia. Durante todos esses anos a mulher de Keith sabia dos abusos e nunca teria feito nada para impedi-lo. Foi a primeira mulher do homem, que percebeu a vítima dentro da casa e sinalizou à polícia o possível cárcere.

Publicidade

O casal confessou ter mantido a jovem presa por todos esses anos, e o homem confirmou os episódios de violência sexual praticados contra ela. Os dois foram condenados pela justiça do país, e durante todo o julgamento tiveram que assistir diversas vezes as imagens gravadas pelas câmeras do quarto, que mostravam os momentos em que ela sofreu nas mãos do agressor. Keith chorou durante todo o processo diante do juiz, enquanto sua mulher manteve-se de cabeça baixa e sem esboçar nenhum tipo de reação. Ele foi condenado a pagar em regime fechado quinze anos de prisão, sendo cinco em liberdade condicional. Já sua mulher pegou apenas dezoito meses de prisão com dezoito de liberdade condicional. Para o delegado que presidiu o caso, essa é uma das piores histórias que ele teve que lidar ao longo de toda a sua carreira. Para ele o que a jovem viveu, é algo inacreditável e horroroso e a justiça deve ser feita para punir os agressores.

#Investigação Criminal