De acordo com a agência Reuters, o secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, afirmou nesta sexta-feira (28) perante o Conselho de Segurança da #ONU que a incapacidade de conter o desenvolvimento nuclear e de mísseis da Coreia do Norte de uma forma mais imediata pode levar a um cenário onde surgirão "consequências catastróficas" para o mundo.

Tillerson presidiu a reunião ministerial do Conselho, composto por 15 países-membros, e disse que a ameaça de um ataque nuclear contra a Coreia do Sul ou o Japão – aliados dos Estados Unidos na Ásia – é real, enfatizando ainda que "é apenas uma questão de tempo até que a #Coreia do Norte desenvolva a capacidade de atingir o continente americano" com um míssil balístico intercontinental

Entretanto, representantes de outros países presentes na assembleia da ONU salientaram que é melhor buscar opções mais brandas na resolução do conflito, como fez, por exemplo, o chanceler chinês Wang Yi, que alegou que era necessário "deixar de lado" o debate sobre qual lado envolvido na questão atômica da Península Coreana está certo ou errado, destacando que o momento atual é de "considerar seriamente" o diálogo e as negociações diplomáticas, que segundo ele, são a "única saída".

Publicidade
Publicidade

Gennady Gatilov, ministro russo das Relações Exteriores, seguiu a linha adotada por Wang, e advertiu que o uso da força seria "completamente inaceitável", ressaltando que "um passo mal pensado ou mal interpretado [pela Coreia do Norte] pode levar às consequências mais assustadoras e lamentáveis".

Adicionalmente, tanto China quanto Rússia criticaram a instalação do sistema antimísseis THAAD, que está sendo feita pelos Estados Unidos em território sul-coreano

Trump teme "grande e importante conflito" contra Pyongyang

Em entrevista concedida à agência Reuters, o presidente americano Donald Trump afirmou que gostaria de resolver a questão do impasse nuclear e do desenvolvimento de mísseis balísticos da Coreia do Norte de um modo pacífico, mas não descartou uma possível guerra que colocaria tanto os Estados Unidos quanto seus aliados na Ásia na linha de frente em um combate armado contra Pyongyang.

Publicidade

Durante a conversa no Salão Oval, Trump declarou: "Há uma chance de que nós possamos acabar tendo um grande e importante conflito com a Coreia do Norte. Absolutamente". Ele também disse que os Estados Unidos "adorariam resolver as coisas diplomaticamente", mas explicou que essa é uma possibilidade "muito difícil" de acontecer.

Na quarta-feira (26), a administração Trump emitiu um comunicado onde afirmou que Coreia do Norte representa "uma ameaça urgente à segurança nacional e prioridade da política externa", mas também enfatizou que os esforços estão concentrados na pressão econômica e diplomática, incluindo ainda a cooperação da China, principal aliada da Pyongyang, na busca de negociações que resultem na desnuclearização norte-coreana. #EUA