Uma guerra fria em torno da corrida armamentista ou uma guerra ideológica e de informações? A tensão entre Coreia do Norte e Estados Unidos parece ter um pouco de cada ingrediente. O país asiático utilizou uma produção em audiovisual para fomentar o ódio da população em relação americanos.

Publicidade

O filme foi apresentado como parte de um evento musical que celebrou o aniversário Kim Il Sung, e finalizou com uma montagem em um telão, onde mísseis lançados por Kim Jong Un passam pelo oceano Pacífico e explodem nos Estados Unidos. Sung é um dos fundadores do país e Kim Jong Un é o presidente norte-coreano que tem desafiado a paciência de Donald Trump e de seus antecessores em Whashington.

Publicidade

O evento foi televisionado pela emissora estatal que tinha a presença de Kim Jong Un e seu neto de Sung. Enquanto o coral se apresentava, imagens reais dos testes de lançamento de um míssil eram exibidas. A apresentação musical culmina com a exibição da parte que, obviamente não ocorreu, os mísseis alcançando e destruindo o território norte-americano.

Neste momento, uma bandeira americana aparece sendo consumida pelo fogo decorrente das explosões, e o desfecho é ainda mais impressionante: várias filas de cruzes brancas, em uma área que se assemelha a um cemitério.

O vídeo com mensagem claramente ideológica e ameaçadora foi exibido no dia seguinte à uma grande parada militar. O evento ocorreu em Pyongyang e fez parte das comemorações dos 105 anos do nascimento de Kim Il Sung.

Ao fim da apresentação do coral e da exibição do material a plateia de espectadores, formada por muitos artistas e também por integrantes da parada militar, comemorarou efusivamente.

Publicidade

As informações foram repercutidas pela agência de notícias estatal KCNA.

Como vem sendo noticiado pela imprensa mundial, a Coreia do Norte avança dia a dia nos sinais de que quer mesmo destruir os Estados Unidos. Nas últimas semanas a tensão aumentou bastante, fomentada por uma espécie de guerra de palavras. Os temores dos países ocidentais aliados aos Estados Unidos é frente à possibilidade cada vem mais real de uma guerra nuclear.

Nesta terça-feira (18), jornais americanos desmentiram as informações de que um navio de guerra dos EUA estava se deslocando em direção à Coreia desde o último dia 8. O porta-aviões Carl Vinson estava, na verdade, saindo de Singapura, e navegando na direção oposta, para participar de exercícios militares junto à Marinha da Austrália, no Oceano Índico, distante mais de 5.500 quilômetros da península das coreias.

#Crime #Casos de polícia