De acordo com o Mail Online, jovens que apoiam o regime de Kim Jong-Un na Coreia do Norte estariam prontos para lançar um ataque tão devastador contra os Estados Unidos e seus aliados na Ásia que a destruição resultante faria a "Terra se partir".

A ameaça, informada pela Agência Central Coreana de Notícias (ou KCNA, como é mais conhecida na sigla em inglês), foi feita por um porta-voz do Comitê Central da Liga da Juventude Kimilsungist-Kimjongilist, que prometeu um ataque com cinco milhões de bombas atômicas carregadas por crianças, caso surja o menor sinal de "provocação" por parte da Coreia do Sul ou dos #EUA

O porta-voz teria afirmado que os jovens norte-coreanos estão se mantendo totalmente prontos para "destruir impiedosamente" os inimigos de Pyongyang, que foram classificados por ele como um "grupo de demônios que estão tentando trazer um desastre nuclear para o país inviolável".

Publicidade
Publicidade

Esta nova ameaça da #Coreia do Norte foi feita logo após os Estados Unidos começarem a instalar o sistema antimísseis THAAD em solo sul-coreano, de forma a interceptar e destruir projéteis balísticos lançados pelo regime de Kim Jong-Un.

Ativação do Sistema THAAD e protestos

O THAAD (acrônimo para Terminal High Altitude Area Defense, ou sistema Terminal de Defesa Aérea de Alta Altitude, em tradução livre) foi originalmente programado para entrar em funcionamento apenas no final de 2017. No entanto, segundo o almirante Harry Harris, principal comandante das tropas americanas no Oceano Pacífico, o sistema já estará operacional dentro de alguns dias

De acordo com o The Guardian, todo o equipamento que integra o THAAD – composto por mísseis balísticos, caminhões-lançadores, radar e sistemas de comunicação e disparo – está sendo montado na aldeia agrícola sul-coreana de Seongju, mais especificamente em Lotte Seongju, um clube de campo que até a semana passada era utilizado por jogadores de golfe amadores.

Publicidade

Residentes do vilarejo estão descontentes com a instalação do THAAD. Eles temem, por exemplo, que as ondas eletromagnéticas emitidas pelo radar do mecanismo possam de alguma forma afetar tanto sua saúde quanto as plantações locais de melão.

Adicionalmente, existe o medo entre a população de que o sistema antimísseis dos Estados Unidos, somado à presença de 28.500 soldados americanos no local, inflamem a ira da Coreia do Norte e atraiam uma atenção extremamente indesejada para a aldeia. Este receio, inclusive, é compartilhado até mesmo pelo prefeito de Seongju, Lee Seok-Joo, que, segundo o The Guardian, declarou: "Estamos preocupados, já que agora somos um alvo norte-coreano". #Guerra