Emergem os detalhes sobre um suposto trio sexual entre duas professoras do ensino médio e um jogador de futebol da escola, de 16 anos. Shelley Dufresne, de 34 anos, assumiu a sua culpa, por ter tido relações sexuais várias vezes com o aluno, a quem ela dava aula de Inglês. Shelley era casada e tem três filhos, o que não a impediu de, alegadamente, ter seduzido o garoto, que era craque de futebol, na escola, no Louisiana, Estados Unidos da América.

Ela é acusada de duas acusações por ter se aproveitado sexualmente do jovem e, se for condenada, ela poderia enfrentar até 10 anos de prisão e uma multa de aproximadamente vinte mil reais.

Publicidade
Publicidade

Além disso, ela ficaria registrada como criminosa sexual. Na terça-feira, estiveram no tribunal, e ficou revelado que a #Professora e o aluno se encontraram sexualmente cerca de 40 vezes, no carro ou na casa de Shelley. A idade legal do consentimento sexual, no Louisiana, é 17 anos e, por essa razão, esta professora está em problemas sérios.

Em alguns dos encontros sexuais, Shelley teria levado sua amiga, também professora, Rachel Respess, de 26 anos, para um trio sexual. O caso ficou conhecido, em 2015, quando os colegas do futebol armaram uma briga, querendo saber se era mesmo verdade o que o garoto se vangloriava, ou se era tudo invenção. Depois da briga entre eles, a escola começou investigando e tudo acabaria sendo revelado.

Agora em tribunal, o advogado de Shelley Dufresne disse que não havia relação sexual, porque o adolescente "não conseguia uma ereção", uma versão desmentida pelo garoto, que garante que teve sexo com as duas professoras.

Publicidade

Shelley teria ainda comprado uma pílula para aumentar a resistência do adolescente, mas que ele não aceitou tomar.

O adolescente filmou um vídeo lascivo com Respess, quando ela estava desmaiada de tanto beber. O advogado relatou que as imagens mostravam o estudante colocando "suas partes privadas" no rosto da professora. O aluno disse ao tribunal que foi a última noite em que teve relações sexuais com Respess ou Dufresne. Ele mostrou este vídeo para os colegas do time, no vestiário de futebol, e a palavra logo se espalhou para funcionários, que investigaram o incidente.

O advogado de defesa de Dufresne, Kim McElwee, disse que o garoto chantageou sua cliente com fotos de nudez. Alegadamente, o jovem havia dito a Dufresne: "A qualquer momento, eu posso expor isso, e você pode ir para a prisão, e você vai perder a sua vida". McElwee criticou o tribunal por não punir o adolescente por essas filmagens. Mesmo sendo menor, o advogado acredita que o garoto deveria ser responsabilizado por essas filmagens invasivas da privacidade da professora.

Publicidade

O caso vai continuar em tribunal.

#sexo #Justiça