Meninas de nove anos estão "fisicamente e espiritualmente" prontas para o casamento", diz um deputado malaio, também afirmando que não há "nada de errado" com as mulheres se casarem com seus estupradores. "Eles atingem a puberdade com a idade de 9 ou 12 anos. E naquele momento, seu corpo já é semelhante a eles terem 18 anos de idade. Assim, física e espiritualmente, não é uma barreira para a menina se casar ", disse o parlamentar Shabudin Yahaya, um membro da Barisan Nasional Coalition.

Ele continuou dizendo que não há "nada de errado" com uma vítima de estupro casar com o homem que a estuprou, pois, fazê-lo lhe permitiria evitar um "futuro sombrio".

Publicidade
Publicidade

"Talvez através do #Casamento eles possam levar uma vida melhor e mais saudável. E a pessoa que foi estuprada precisa não necessariamente ter um futuro sombrio. Ela terá um marido, pelo menos, e isso poderia servir como um remédio para crescentes problemas sociais", acrescentou.

Os comentários de Shabudin provocaram indignação nas mídias sociais, com alguns políticos da oposição pedindo que ele fosse demitido. No entanto, Shabudin não é o único deputado a favor de casamentos de crianças. Na terça-feira (4), uma proposta de um membro da oposição no parlamento para alterar o projeto de infrações sexuais contra crianças para incluir a proibição de casamentos de crianças foi anulada.

Na lei islâmica, as crianças menores de 16 anos podem se casar se os tribunais da Sharia permitirem. A lei civil da Malásia estabelece a idade mínima de casamento de 18 anos, mas os maiores de 16 anos podem casar ​​com a permissão do ministro-chefe do seu estado.

Publicidade

Apesar de não ter criminalizado o casamento infantil, o parlamento aprovou uma lei na terça-feira (4) que criminaliza o contato e amizade de crianças com a intenção de abusá-las sexualmente, e delineia penalidades por fazer e possuir pornografia envolvendo menores de 18 anos.

Um tribunal especial também será criado para lidar com casos de abuso sexual de crianças mais rapidamente. A grande maioria do abuso sexual infantil na Malásia não resulta em processos judiciais bem-sucedidos, em grande parte devido a deficiências no sistema de justiça criminal. #Crime #Comportamento